Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Sábado, Outubro 23, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Sertã | Médico Paulo Queiroz conta como evoluiu o exercício físico ao longo da história

A edição desta terça-feira, 27 de agosto, do “Cafés com Ciência-Sertã”, tem como convidado o médico Paulo Queiroz, que falará sobre “O Homem e o exercício físico: do caçador-recoletor ao sedentarismo”. 

- Publicidade -

- Publicidade -

Numa nota de imprensa, a Câmara Municipal da Sertã explica que, nesta sessão, que decorrerá no SerQ – Centro de Inovação e Competências da Floresta, às 18h00, o exercício físico irá ser abordado sob o ponto de vista histórico, traçando a sua evolução desde os alvores da humanidade, do caçador-recoletor até ao Homo sapiens, com destaque para a evolução tecnológica e social. O sedentarismo e as chamadas doenças da civilização também serão focados, especialmente o exercício físico com resposta a quatro questões fundamentais: porquê, onde, quando e como”.

Paulo Queiroz é licenciado em Medicina pela Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra, tendo-se especializado em Medicina do Desporto e Clínica Geral. Tem sido responsável clínico de equipas desportivas e é, desde 2006, elemento do Departamento Médico da Federação de Andebol de Portugal. Esteve presente no Campeonato Europeu de Seniores Femininos de 2008, no Campeonato Europeu Sub-17 Feminino de 2011, no Campeonato do Mundo Sub-18 Feminino de 2012, no Campeonato Europeu Sub-19 Feminino de 2013 e no Campeonato do Mundo Sub-20 Feminino de 2014.

- Publicidade -

Os “Cafés com Ciência-Sertã” são conversas informais sobre ciência, abertas a todas as idades, promovidas pelo SerQ em parceria com Município da Sertã e o Exploratório – Centro de Ciência Viva de Coimbra. Com participação gratuita, os “Cafés com Ciência-Sertã” decorrem na última terça-feira de cada mês, das 18 às 19 horas, no auditório do SerQ, na Zona Industrial da Sertã.

 

Ganhou o “bichinho” do jornalismo quando, no início dos anos 80, começou a trabalhar como compositor numa tipografia em Tomar. Caractere a caractere, manualmente ou na velha Linotype, alinhavava palavras que davam corpo a jornais e livros. Desde então e em vários projetos esteve sempre ligado ao jornalismo, paixão que lhe corre nas veias.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome