Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -
Domingo, Outubro 24, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Sertã | Incêndio em Figueiredo combatido por mais de 200 bombeiros está dominado

18:00 – O incêndio florestal que deflagrou às 14:10 de hoje no concelho da Sertã, distrito de Castelo Branco, está dominado e não ameaçou povoações, segundo o presidente do município e a Proteção Civil.

- Publicidade -

“O incêndio chegou a ter grandes proporções, mas está dominado. Os meios foram muitos e houve uma rápida atuação”, disse à agência Lusa o autarca José Farinha Nunes, em declarações às 17:30, pouco mais de três horas depois do alerta.

O autarca adiantou que as chamas, que eclodiram numa zona de pinhal junto à localidade de Figueiredo, não colocaram casas em perigo. “Foi só na floresta, não houve pessoas nem casas em risco”, disse José Farinha Nunes.

- Publicidade -

Às 17:38, a página da Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC) dava o incêndio da Sertã como estando em resolução. De acordo com a mesma fonte, no local estão 249 operacionais, apoiados por 65 viaturas e oito meios aéreos.

Agência Lusa

15:10 – Um incêndio que deflagrou às 14:10 na localidade de Figueiredo, freguesia de Ermida e Figueiredo, no concelho da Sertã, estava a ser combatido às 15:10 por 194 operacionais, apoiados por 48 viaturas e 8 meios aéreos.

Segundo a página da Proteção Civil, o fogo lavra em zona de povoamento florestal.

Fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Castelo Branco disse à Lusa que as chamas estão a lavrar numa zona de pinhal, não adiantando mais pormenores, nomeadamente se há povoações em perigo.

De acordo com a página da ANPC, o incêndio está a lavrar junto à localidade de Figueiredo, situada numa zona florestal perto da estrada que liga o município da Sertã a Oleiros, ambos no distrito de Castelo Branco.

c/LUSA

A experiência de trabalho nas rádios locais despertaram-no para a importância do exercício de um jornalismo de proximidade, qual espírito irrequieto que se apazigua ao dar voz às histórias das gentes, a dar conta dos seus receios e derrotas, mas também das suas alegrias e vitórias. A vida tem outro sentido a ver e a perguntar, a querer saber, ouvir e informar, levando o microfone até ao último habitante da aldeia que resiste.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome