Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -
Quarta-feira, Setembro 22, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Sertã | Freguesia da Várzea dos Cavaleiros perdeu quase um quarto da população (c/áudio)

Em 10 anos, a freguesia de Várzea dos Cavaleiros, no concelho da Sertã, perdeu 193 habitantes, quase um quarto da sua população (23,5%). De acordo com os dados preliminares do Censos 2021, a freguesia reduziu de 820 habitantes em 2011 para 627 em 2021, sendo aquela que, percentualmente, mais perdeu população no Médio Tejo.

- Publicidade -

Falta de emprego é a principal justificação apontada pela presidente da Junta para estes números. Maria Gracinda Marçal afirma que “muita gente tem ido embora da freguesia por causa da falta de trabalho”.

“Praticamente não temos indústria na Sertã, há muito tempo que as empresas estão a sair para outros concelhos como Proença a Nova e Vila de Rei, por exemplo”, concretiza para justificar a saída da população.

- Publicidade -

ÁUDIO | MARIA GRACINDA MARÇAL, PRESIDENTE JF VÁRZEA DOS CAVALEIROS:

Na sua opinião, “as pessoas não têm hipótese de ficar aqui, têm de ir para outros sítios nomeadamente para o litoral à procura de trabalho”.

A juntar ao natural envelhecimento da população e aumento da mortalidade entre os mais velhos, outro aspeto focado pela autarca é a dificuldade na construção de casas por impedimento dos instrumentos de ordenamento do território, como seja, o PDM.

Uma última justificação para a disparidade de números entre 2011 e 2021 é um possível “erro de contagem”, com os dados mais recentes a serem mais rigorosos graças aos sistemas informáticos e um contacto mais próximo com os moradores.

Os números do Censos espelham também a reduzida natalidade. Segundo Maria Gracinda Marçal, o último nascimento na freguesia aconteceu em 2018, informação da qual não está totalmente segura. Ao mesmo tempo “morreu muita gente velha nestes 10 anos”.

Ganhou o “bichinho” do jornalismo quando, no início dos anos 80, começou a trabalhar como compositor numa tipografia em Tomar. Caractere a caractere, manualmente ou na velha Linotype, alinhavava palavras que davam corpo a jornais e livros. Desde então e em vários projetos esteve sempre ligado ao jornalismo, paixão que lhe corre nas veias.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome