Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Sábado, Outubro 23, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Sertã | Duas praias galardoadas pela Quercus com “Qualidade de Ouro 2020”

Pela primeira vez, a Praia Fluvial da Ribeira Grande e a Praia Fluvial do Troviscal, na Sertã, foram distinguidas pela Quercus – Associação Nacional de Conservação da Natureza com o “Galardão Qualidade de Ouro 2020”.

- Publicidade -

Este ano o Galardão foi atribuído a 386 praias a nível nacional. As duas praias fluviais do concelho da Sertã fazem parte da Região Tejo e Oeste que, este ano, foi a que contabilizou novamente mais praias com Qualidade de Ouro no país (106).

O galardão é atribuído anualmente a águas balneares que cumpriram obrigatoriamente os seguintes critérios: qualidade da água excelente nas últimas cinco épocas balneares (2015 a 2019), todas as análises realizadas na última época balnear (2019) apresentaram resultados melhores que os valores definidos para o percentil 95 do anexo I da Diretiva relativa às águas balneares e, na última época balnear (2019), não ocorreu qualquer tipo de ocorrência/aviso de desaconselhamento da prática balnear, proibição da prática balnear e/ou interdição temporária da praia.

- Publicidade -

Para o Presidente da Câmara Municipal da Sertã, o galardão atribuído “confirma a qualidade das águas, constituindo mais um atrativo para potenciar o Concelho”.

José Farinha Nunes regozija-se pelo facto e, no atual contexto que atravessamos, o autarca apela aos banhistas que usufruírem das praias fluviais e, de um modo geral, do Concelho, que “cumpram as regras veiculadas pela Direção Geral de Saúde, no que respeita ao distanciamento social e etiqueta respiratória”.

Em 2016, o mediotejo.net publicou uma reportagem sobre a Praia Fluvial da Ribeira Grande, situada em plena Vila, nas traseiras da piscina municipal.

À descoberta da Sertã: Praia Fluvial da Ribeira Grande, os prazeres do campo na cidade

Ganhou o “bichinho” do jornalismo quando, no início dos anos 80, começou a trabalhar como compositor numa tipografia em Tomar. Caractere a caractere, manualmente ou na velha Linotype, alinhavava palavras que davam corpo a jornais e livros. Desde então e em vários projetos esteve sempre ligado ao jornalismo, paixão que lhe corre nas veias.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome