Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Quinta-feira, Agosto 5, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Sertã/Provart | Cerveja… artesanal ou não, tem que ser sempre fresquinha (c/vídeo)

Ser fresca, bem fresquinha. Esta é condição sine qua non para se beber qualquer cerveja. Pelo menos foi o que disseram a maioria dos apreciadores com quem o mediotejo.net falou na quente tarde de 2016, durante a terceira edição do PROVART – Festival de Cerveja Artesanal, evento que regressa este fim de semana à Sertã. O evento leva mais de 80 rótulos de cerveja artesanal produzida no país à Alameda da Carvalha e decorre até domingo, dia 25 de junho. Por aqui e acolá viam-se grupos de amigos mas também, curiosamente, famílias inteiras que ali foram desfrutar um pouco do seu tempo em convívio. Este ano, o programa musical também promete animar a festa da cerveja artesanal.

- Publicidade -

IMG_8281
Espaço do PROVART convida ao relax. Foto: mediotejo.net

O primeiro stand, depois do da organização, é o da cerveja Celinda, a cerveja oficial do PROVART. Foi criada em 2014 por dois amantes da cultura cervejeira, Carla Rodrigues e Bruno Dias, que neste dia não têm mãos a medir. Aliás, quem compra o copo oficial do evento – custa 4 euros – tem direito a provar Celinda, abrindo as hostilidades para mais de 80 provas diferentes, entre avelã, chili e chocolate ou cerveja escocesa, em 16 expositores cervejeiros vindos de todo o país, sendo a maioria do norte e centro.

- Publicidade -

IMG_8243
Carla Rodrigues, mentora da Cerveja Celinda, da Sertã. Foto:mediotejo.net

Carla Rodrigues, mentora da Celinda, explica ao mediotejo.net o que torna esta cerveja tão especial. “É uma cerveja de trigo, com um ligeiro aroma a banana. É especial devido à sua cremosidade, frescura, muito leve para se beber… ideal para se beber num dia tão quente como o de hoje”, refere, acrescentando que os comentários dos apreciadores são positivos.

Em relação ao evento, refere que o tempo quente afasta os apreciadores durante o dia mas que à noite o recinto enche-se de pessoas de todas as idades. Um facto que o mediotejo.net registou à medida que a noite caía. “O Festival está a correr muito bem. Estamos com dois dias de muito calor o que é bom para puxar beber a cerveja. Temos uma programação bastante diversificada para além dos stands cervejeiros. Temos concertos, animação teatral na rua o que acaba por atrair as pessoas”, disse ao mediotejo.net. O mais gratificante, garante, é ver que as pessoas se estão a divertir,  “num convívio de bastante alegria”, enquanto degustam as cervejas.

IMG_8207
Animação de rua foi uma constante. Foto: mediotejo.net

Paula Claro, uma das apreciadoras, acabou de dar um trago na Celinda e comprova isso mesmo. “É óptima. É encorpada e não é muito ácida o que é excelente”, refere. Acompanhada pelo marido, Floberla Jorge elege a leveza e a textura do sabor. “Esta é diferente da que compramos nos supermercados”, atesta.

Outro apreciador de Celinda foi José Trigo para quem a cerveja tem que ser, acima de tudo, bem fresquinha. “Já experimentamos a Barona, a Luzia e a Celinda. Gosto especialmente do sabor amargo da cerveja mas o que dou mais valor é ao facto desta estar fresca, ainda por cima num dia de bastante calor como o de hoje”, disse, acompanhado pela esposa enquanto passava um grupo de teatro pelo recinto.

IMG_8217
Boa disposição reinou entre os convivas. Foto: mediotejo.net

Na última edição, os amantes da cerveja artesanal tiveram ainda oportunidade para aprender a fazer a sua própria cerveja a partir de grãos de cevada, lúpulo, levedura e outros ingredientes nos workshops gratuitos. Por sua vez, os amantes dos produtos locais têm oportunidade de visitar os stands com iguarias e artesanato.

Este ano, no recinto do festival, vão estar aos dispor dos visitantes alguns stands com artesanato, produtos regionais e as roloutes de “street food”, permitindo aos visitantes uma degustação completa dos sabores  das cervejas com o que melhor temos na gastronomia nacional.

À semelhança dos anos anteriores, nesta edição, o festival irá contar com muita animação musical, entre eles, os Anaquim, Dj Roky Roberto, Rock N Road, Boca Doce, Bonnie & Clyde’s Gang, Bichos  Carpinteiros e The Gin Bowlers.

O evento tem entrada gratuita, sendo aberto a todas a faixas etárias, sendo apenas cobrado os valores do copo oficial e dos produtos consumidos.

Aos 12 anos já queria ser jornalista e todo o seu percurso académico foi percorrido com esse objetivo no horizonte. Licenciada em Jornalismo, exerce desde 2005, sempre no jornalismo de proximidade. Mãe de uma menina, assume que tem nas viagens a sua grande paixão. Gosta de aventura e de superar um bom desafio. Em maio de 2018, lançou o seu primeiro livro de ficção intitulado "Singularidades de uma mulher de 40", que marca a sua estreia na escrita literária, sob a chancela da Origami Livros.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome