Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Quinta-feira, Agosto 5, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

SERTÃ: Casa da Cultura acolhe no domingo Gala Eugénia Lima

A Casa da Cultura da Sertã vai ser o palco da quinta edição da “Gala Eugénia Lima”, evento cultural que vai decorrer no domingo, dia 22 de novembro, às 17:00, em tributo à acordeonista natural de Castelo Branco.

- Publicidade -

Promovida pela Câmara Municipal da Sertã, a “Gala Eugénia Lima” pretende homenagear postumamente a acordeonista Eugénia Lima e promover o acordeão, instrumento típico da Música Popular Portuguesa.

Nesta gala participarão os alunos da Escola de Acordeão da Sertã, Trio João Gentil e a Orquestra de Acordeões do Cartaxo.

- Publicidade -

Nascida em Castelo Branco em 1926, Eugénia Lima iniciou a sua vida artística aos 4 anos no Teatro Vaz Preto em Castelo Branco. Ao longo da sua carreira, fez vários espetáculos, quer em Portugal, quer no estrangeiro, passando ainda pela televisão. Diplomada com o Curso Superior de Acordeão (categoria de professora) pelo Conservatório de Acordeão de Paris, Eugénia Lima fundou a Orquestra Típica Albicastrense, possui inúmeros discos gravados e compõe temas para vários artistas consagrados.

Foi agraciada com diversos prémios e distinções, a destacar o “Óscar da Imprensa” (1962), “Dama da Ordem Militar de Santiago da Espada” (1980), Diploma Honorífico atribuído pela União Nacional dos Acordeonistas de França (1984), “Mérito Cultural” (1986) e “Grande Oficial da Ordem do Infante D. Henrique” (1995). Faleceu a 4 de abril de 2014.

A “Gala Eugénia Lima” está agendada para domingo, dia 22 de novembro, na Casa da Cultura da Sertã, com início às 17 horas. A entrada é livre.

A experiência de trabalho nas rádios locais despertaram-no para a importância do exercício de um jornalismo de proximidade, qual espírito irrequieto que se apazigua ao dar voz às histórias das gentes, a dar conta dos seus receios e derrotas, mas também das suas alegrias e vitórias. A vida tem outro sentido a ver e a perguntar, a querer saber, ouvir e informar, levando o microfone até ao último habitante da aldeia que resiste.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome