Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Quinta-feira, Agosto 5, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Sertã | Assembleia Municipal confirma proposta de política fiscal para 2021

De entre os impostos anuais definidos pelo Município da Sertã, os que suscitaram mais polémica na sessão da Assembleia Municipal foram a participação sobre o rendimento das pessoas singulares (IRS) e a derrama. A proposta da Câmara era de 4,5% como participação sobre o IRS, meio ponto percentual abaixo do máximo, baseada nos argumentos da necessidade de receitas e de equilíbrio orçamental.

- Publicidade -

Da bancada do PS, coube a Jorge Manuel Farinha, economista de formação, questionar a redução de verbas arrecadadas pela Câmara e defender que a proposta devia ser mais reduzida, ao mesmo tempo que deixou críticas aos critérios adotados.

O deputado municipal João Carlos Almeida (PSD) rebateu, realçando a redução das tarifas de água nos primeiros meses da pandemia. “Gasta-se mais com apoios sociais do que o que se poupa nos apoios a eventos”, argumentou.

- Publicidade -

Interveio também o presidente da Câmara que repetiu as razões da aplicação de 4,5% no IRS, criticando a atual legislação sobre o IRS e a derrama. José Farinha Nunes (PSD) defende que não devia existir confusão entre impostos cobrados pelas Câmaras e pelo Estado.

O ponto foi aprovado com nove votos contra da bancada do PS.

Quanto à derrama, cuja proposta era de isenção para as empresas cujo volume de negócios no ano anterior não ultrapasse 150 mil euros e 1% sobre o lucro tributável às empresas com volume de negócios superior a 150 mil euros, à semelhança do que aconteceu na Câmara, a Assembleia, de maioria PSD, aprovou com oito votos contra da bancada do PS.

O presidente da Câmara lembrou que as empresas abrangidas só pagam derrama se tiverem lucro.

Mais pacíficas foram a proposta do imposto municipal sobre imóveis (IMI), no mínimo, e a da taxa municipal de direitos de passagem (TMDP), que foram aprovadas por unanimidade.

Ganhou o “bichinho” do jornalismo quando, no início dos anos 80, começou a trabalhar como compositor numa tipografia em Tomar. Caractere a caractere, manualmente ou na velha Linotype, alinhavava palavras que davam corpo a jornais e livros. Desde então e em vários projetos esteve sempre ligado ao jornalismo, paixão que lhe corre nas veias.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome