Segunda fase do “Campus da Proteção Civil” lançada em Almeirim

A primeira pedra da Unidade de Reserva Logística Nacional da proteção civil foi lançada ontem em Almeirim, dando início à segunda fase do que o presidente do município designou como “Campus da Proteção Civil” que vai ficar instalado no concelho.

PUB

O lançamento da primeira pedra, no terreno que irá acolher a unidade e o parque de veículos do Centro Tático de Comando da Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC), seguiu-se à assinatura do contrato de financiamento, um investimento da ordem dos 700.000 euros cofinanciado com fundos comunitários do Programa Operacional Sustentabilidade e Eficiência no Uso de Recursos (POSEUR), homologado pelo secretário de Estado da Administração Interna, Jorge Gomes.

As instalações que vão agora ser construídas ficam junto da Base Permanente da Força Especial de Bombeiros (“Canarinhos”), uma obra de 450.000 euros inaugurada há um ano na Zona Industrial de Almeirim.

PUB

Pedro Ribeiro, presidente da Câmara Municipal de Almeirim, afirmou que o município está em condições de lançar este mês o concurso para a construção das instalações do Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Santarém, um equipamento “modelo” que irá substituir as instalações onde o serviço funciona provisoriamente desde 2009 e que se irá juntar às outras estruturas.

“Quando estiver tudo terminado teremos aqui um verdadeiro ‘campus’ da proteção civil e do socorro” ao serviço “da região e do país”, declarou.

PUB

Jorge Gomes adiantou que uma estrutura idêntica ficará instalada em Loulé, no sul do país, embora a que está a ser construída em Almeirim seja “mais completa”.

O secretário de Estado afirmou que tem sido sua preocupação fazer com que os fundos comunitários do presente quadro, que deveriam ter começado a ser utilizados em 2014, estejam “na rua o mais rapidamente possível”, pois são fundamentais para revitalizar a economia do país.

Jorge Gomes reafirmou ainda a sua intenção de resolver rapidamente a situação dos profissionais ao serviço da Força Especial de Bombeiros, que se encontram “sem carreira e sem saber sequer qual é a sua entidade patronal” (tal como acontece com os operadores dos CDOS, que obedecem à ANPC mas são pagos através da Escola Nacional de Bombeiros).

“Este é um assunto que me traz angustiado”, disse, adiantando que quer “a situação perfeitamente definida”, ficando esta força diretamente dependente da ANPC.

O secretário de Estado disse ainda estar a trabalhar sobre a carreira dos Bombeiros Municipais, considerando que a lei, com 14 anos, se encontra “desadequada”, sendo necessário “resolver rapidamente” a questão das promoções e das remunerações, o que pensa conseguir através de uma norma de exceção, a exemplo do que aconteceu com as forças de segurança.

APOIE O NOSSO JORNAL, TORNE-SE UM LEITOR BENEMÉRITO

Se lê regularmente as nossas notícias torne-se um leitor benemérito fazendo contribuições a partir de 10€/mês, ou doando valores iguais ou superiores a 100€. Esses leitores passam a constar da ficha-técnica como apoiantes deste projeto independente de jornalismo. Pode também fazer uma contribuição pontual (5€, 10€, 20€, o que puder e quiser).

pub

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here