Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Domingo, Setembro 26, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Sardoal | Secretário de Estado inaugura piscina e abre porta a financiamento de bombeiros municipais

A cerimónia de inauguração da Reabilitação da Piscina Municipal descoberta de Sardoal decorreu na quinta-feira, 1 de julho, com a presença do secretário de Estado da Descentralização e da Administração Local. O presidente da autarquia, Miguel Borges (PSD), aproveitou o momento para fazer alguns pedidos ao governante, nomeadamente quando ao financiamento dos bombeiros municipais. Jorge Botelho garantiu que o assunto “está em cima da mesa”. Admitiu ainda, sobre a descentralização de competências, que “numa fase, os municípios vão ter de investir mais do que aquilo que recebem”. 

- Publicidade -

A reabilitação da Piscina Municipal decorreu no âmbito de uma candidatura ao programa BEM – Beneficiação de Equipamentos Municipais – lançado pelo Governo em junho de 2018 destinado à valorização de infraestruturas e equipamentos dos municípios do interior, tendo tido um investimento total de 411 mil euros, com um financiamento de 180 mil euros.

“Uma obra de extrema importância. Há o embelezamento da piscinas mas mais importante ainda é a eficiência do recurso fundamental chamado água”, começou por dizer o presidente da Câmara Municipal na cerimónia de inauguração da Reabilitação da Piscina Municipal descoberta de Sardoal.

- Publicidade -

Cerimónia de inauguração da Reabilitação da Piscina Municipal descoberta de Sardoal com a presença do secretário de Estado da Descentralização e da Administração Local, Jorge Botelho. Créditos: mediotejo.net

Miguel Borges explicou que o grande investimento “está escondido, numa casa de máquinas nova. A água é um bem escasso e se nada fizermos vamos ter nas próximas décadas grandes problemas de falta de água, por isso tudo aquilo que possamos fazer para o bom uso desse recurso que é finito é muito importante. Daí a importância desta obra”.

As obras de reabilitação visaram a modernização do espaço, dotando a infraestrutura de condições que permitam um melhor usufruto por parte dos utilizadores.

Dirigindo-se ao secretário de Estado da Descentralização e da Administração Local, Jorge Botelho, referiu que a “descentralização para nós é muito importante” e foi nessa medida que Sardoal aceitou todas as transferências de competências para “pôr mãos à obra no interior”.

Lembrou que a partir de hoje a A23 tem uma redução de 50% no valor das portagens, considerando por isso “um dia muito importante para a nossa economia, para a economia local, para o desenvolvimento do interior. Tem de haver essa atratividade”, notou, dizendo ser “uma luta com muitos anos”.

Transmitiu a Jorge Botelho que durante anos “andámos a vender mal o interior. Onde todos os autarcas queriam uma discriminação positiva para valorização do interior […] mas muitas vezes as coisas as coisas paravam porque andávamos a vender o interior como um território deprimido”.

Cerimónia de inauguração da Reabilitação da Piscina Municipal descoberta de Sardoal com a presença do secretário de Estado da Descentralização e da Administração Local, Jorge Botelho. Créditos: mediotejo.net

O autarca salientou que os territórios do interior têm os mesmos equipamentos, escolas, acessibilidades dos grandes centros urbanos, “com uma vantagem; temos tempo para usufruir de tudo isto”. Miguel Borges pediu que, conjuntamente com os autarcas do interior, “possa mudar o paradigma”.

Pediu ainda ao secretário de Estado para “não abandonar o desafio comum que tem a ver com os bombeiros no âmbito da administração local. Neste momento temos todas as condições para tentarmos alterar aquilo que tem sido o nosso desafio. Tem de haver justiça entre os municípios que têm bombeiros no âmbito da administração local e os outros municípios que não têm. Têm corporações de bombeiros muito válidas, mas em termos financeiros há um prejuízo para os municípios que têm bombeiros no âmbito da administração local. Investimos mais de 10% do nosso orçamento nos bombeiros mas tem de haver justiça também da parte do Governo quando compensa municípios que têm bombeiros através das associações e nós ficamos de fora desses apoios como por exemplo das Equipas de Intervenção Permanente”.

ÁUDIO: MIGUEL BORGES, PRESIDENTE CM SARDOAL:

Já o secretário de Estado da Descentralização e da Administração Local, Jorge Botelho, começou por explicar que o projeto de Reabilitação da Piscina Municipal descoberta de Sardoal foi aprovado “porque tinha mérito. Quer dizer que foi necessário”. Falando sobre o estado de despovoamento do interior do País e da visão dos autarcas, Jorge Botelho, manifestando-se sabedor “da carga acumulada”, escusou-se a uma “lamentação” optando pela “oportunidade” afirmando que o Governo “está a tentar ter estratégias para poder atrair mão de obra, empresas, investimento, emprego e emprego até qualificado”.

Disse que “os próprios autarcas, independentemente da sua orientação política, também começaram a ter uma perceção daquilo que era a valorização do seu território que não depende só de estar no litoral. Falemos do turismo, dos produtos endógenos, dos circuitos curtos de comercialização, do artesanato, da EN 2 onde foi criada uma grande Rota Turística e um conjunto de circunstancias” de valorização do território e aproveitamento das potencialidades de Portugal.

Sobre a descentralização de competências, Jorge Botelho considerou não bastar dizer “ser adepto da descentralização” afirmando ser este o momento para reivindicar os meios financeiros para cumprir as competências.

No entanto, admitiu que “numa fase, os municípios vão ter de investir mais do que aquilo que recebem”. Contudo, “a médio e longo prazo isso não vai acontecer”, garantiu “porque a oportunidade, sendo detentores daquele património, daquela responsabilidade, nomeadamente na área da Saúde, da Educação, e no futuro na área da Ação Social também lhes dá oportunidade de serem agentes da mudança, de tratarem imediatamente das coisas mas também entrarem num patamar de exigência que se calhar é um conjunto de fundos a fundo perdido para poderem tratar dessas matérias”, disse, assumindo que o Governo quer descentralizar mais.

Cerimónia de inauguração da Reabilitação da Piscina Municipal descoberta de Sardoal com a presença do secretário de Estado da Descentralização e da Administração Local, Jorge Botelho. Créditos: mediotejo.net

“É preciso reforçar ainda mais o poder local e é preciso uma relação pessoal com as pessoas”, defendeu o secretário de Estado. “As redes sociais são importantes mas as pessoas são mais importantes”, frisou.

Sobre a questão dos bombeiros Jorge Botelho assegurou que o financiamento dos bombeiros municipais “está em cima da mesa. Felizmente a secretária de Estado da Administração Interna está muito ciente das questões e felizmente temos uma linha de trabalho com a ANEPC que se calhar nunca tivemos”, notou.

ÁUDIO: SECRETÁRIO DE ESTADO JORGE BOTELHO:

Devido à pandemia a piscina municipal descoberta funcionará com um plano de contingência, tendo “metade dos utilizadores que normalmente têm”, explicou depois Miguel Borges aos jornalistas.

“Vamos ter de ser rigorosos. Há uma lotação para o plano de água e há também uma lotação para fora do plano de água. Vais ter de ser feita esta monitorização constantemente para não corrermos riscos. Já o ano passado não pudermos usufruir, uma delas também por causa da obra, não só por causa da pandemia”, recorda, dizendo que o grande desafio vai ser “cada um de nós fazer o que tem de fazer. Cada um de nós sabe o que tem de fazer”.

A piscina descoberta, que deveria abrir ao público em Sardoal este sábado, dia 3 de julho, viu entretanto a sua reabertura adiada para data a anunciar, tendo em conta a atual situação pandémica que se vive no Sardoal e no país.

Quando reabrir, que se espera para breve, a piscina é para ficar aberta “todo o verão”, em principio até meados de setembro, mas dependerá “das condições meteorológicas e da pandemia”.

“Estamos num nível em que não vamos avançar no desconfinamento mas também não vamos regredir, e estamos a pensar em abrir a piscina no sábado, dependendo do que for decidido hoje em Conselho de Ministros, e para a semana abrir os equipamentos que foram encerrados, com o cumprimento rigoroso daquilo que são os planos de contingência”, disse na quinta-feira o presidente da Câmara, tendo hoje anunciado o adiamento da abertura.

A cerimónia de inauguração da Reabilitação da Piscina Municipal descoberta de Sardoal contou com a presença de alguns autarcas, nomeadamente vereadores e presidentes de Junta, primeiramente no salão nobre dos Paços do Concelho e depois no parque desportivo municipal.

Cerimónia de inauguração da Reabilitação da Piscina Municipal descoberta de Sardoal com a presença do secretário de Estado da Descentralização e da Administração Local, Jorge Botelho. Créditos: mediotejo.net

Em função do plano de contingência (covid-19) a piscina vai abrir com lotação reduzida, com uma lotação máxima interior de 50 utentes, sendo 35 na piscina grande e 4 na piscina pequena, e 5 utentes nos balneários (cada). Só é permitida a entrada de menores de 10 anos quando acompanhados por um adulto.

Nas medidas gerais de utilização encontramos a obrigatoriedade de higienização das mãos na entrada e saída da piscina, e o uso obrigatório de máscara à entrada, no interior e à saída. Os balneários só serão usados para mudança de roupa, não sendo permitido a utilização de duches.

O horário de funcionamento será das 10h00 às 13h00 e das 15h00 às 19h00, com interdição a banhos entre as 12h30 e as 15h00 e após as 18h30.

Quanto ao precário é grátis para menores de 10 anos, dos 10 aos 14 anos o bilhete custa 55 cêntimos, dos 15 aos 17 anos 85 cêntimos, maiores de 18 anos 1,70 euro, durante a semana. Aos sábados, domingos e feriados igualmente grátis para menores de 10 anos, dos 10 aos 14 anos 1 euro, dos 15 aos 17 anos, 1,35 euro, maiores de 18 anos 2,30 euro.

A piscina municipal descoberta de Sardoal encerrará à segunda-feira para descanso.

A sua formação é jurídica mas, por sorte, o jornalismo caiu-lhe no colo há mais de 20 anos e nunca mais o largou. É normal ser do contra, talvez também por isso tenha um caminho feito ao contrário: iniciação no nacional, quem sabe terminar no regional. Começou na rádio TSF, depois passou para o Diário de Notícias, uma década mais tarde apostou na economia de Macau como ponte de Portugal para a China. Após uma vida inteira na capital, regressou em 2015 a Abrantes. Gosta de viver no campo, quer para a filha a qualidade de vida da ruralidade e se for possível dedicar-se a contar histórias.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome