Sardoal | Santa Casa encerra Creche por “incapacidade financeira”, garante provedor

A Santa Casa da Misericórdia de Sardoal decidiu encerrar a valência de Creche por incapacidade financeira. A confirmação foi dada ao mediotejo.net pelo provedor da instituição, Anacleto Batista. A deliberação da Mesa Administrativa data de 29 de maio mas o encerramento acontecerá só no dia 31 de agosto. A 1 de setembro abre a Creche Municipal cujo regulamento foi votado na Assembleia Municipal de Sardoal de 7 de agosto, em sessão extraordinária.

A Santa Casa da Misericórdia de Sardoal “não tem capacidade financeira para manter a valência de Creche”, garantiu ao mediotejo.net o provedor da instituição, Anacleto Batista.

A Santa Casa da Misericórdia decidiu encerrar definitivamente a valência de Creche no seguimento de uma notificação da Segurança Social informando que “deveria proceder a obras de requalificação do edifício onde se encontra instalada a valência de Creche, encontrar espaço alternativo ou elaborar um projeto de construção de raiz”.

PUB

Solução “incomportável” de realizar, segundo Anacleto Batista. “Para a construção de uma Creche, tenho um orçamento de 120 mil euros. Ora a Santa Casa não têm nem o edifício nem o dinheiro”, assegura.

A Instituição fui a fundadora da Creche do Sardoal em 1997, “em dezembro [daquele ano] entrou para a Creche a primeira funcionária, portanto esta não foi uma decisão fácil”, encerrar uma valência com mais de 20 anos, afirma o provedor.

Nos últimos três anos e através de “bens que alienou”, a Santa Casa “investiu mais de 30 mil euros na Creche. A última tranche foi de 12 mil euros para as obras no parque”, deu conta, notando que a situação económica se agudizou. A valência de creche gerava “um prejuízo mensal na ordem dos 50 mil euros por ano” sendo que o total já contabiliza 260 mil euros, indica Anacleto Batista.

Segundo disse aquele responsável, a Segurança Social “nunca se prontificou para protocolar apoio financeiro para as 35 crianças da Creche” existindo apenas apoio do Estado para 20 crianças, sendo que a verba transferida pela Segurança Social é na ordem dos 270 euros por utente/mês, e, por protocolo celebrado com o Município, a Santa Casa recebia um apoio suplementar de 70 euros por utente/mês.

Das famílias, “a generalidade pagava 75 euros mensais, sendo que cada criança tem um custo associado de 542.73 euros”, tendo em conta a manutenção da valência com as “normais despesas com água, eletricidade e salários”, explica o provedor.

Na Creche da Santa Casa trabalham dois educadores com um auxiliar, sendo que ainda recebem ajuda de três auxiliares do apoio à terceira idade, que regressam ao lar com o encerramento da Creche.

Na sequência da notificação da Segurança Social, a Mesa Administrativa daquela Instituição Privada de Solidariedade Social deliberou então por unanimidade, a 29 de maio, solicitar à Segurança Social a rescisão do protocolo celebrado em dezembro de 1998, em virtude de “não ter capacidade financeira para qualquer das situações apontadas como sendo necessário para a continuidade da mesma valência”.

No seguimento da comunicação feita ao Município pela Santa Casa da Misericórdia de Sardoal a dar conta do encerramento definitivo da sua valência de Creche no final deste ano letivo, o Município de Sardoal decidiu assegurar essa valência no concelho a partir do próximo dia 1 de setembro, anunciou a autarquia.

Considerando tratar-se de um serviço de educação “fundamental e imprescindível” para as famílias com crianças com idade inferior a três anos, o Município deu início a os procedimentos necessários para garantir a continuidade desta valência no concelho de Sardoal avançando com a construção de uma Creche Municipal, disse o presidente, Miguel Borges, durante uma reunião de Câmara.

A Creche Municipal irá funcionar “no espaço do Jardim de Infância. Vamos instalar uma estrutura modular que pode funcionar como sala de aula. Além de uma sala de aula que está disponível no Jardim de Infância vão ser instaladas mais duas salas de aulas e instalações sanitárias”, avançou Miguel Borges, garantindo tratar-se de uma equipamento “com qualidade, com ar condicionado, melhor que muitas salas de aulas que hoje existem”.

Uma estrutura modular para “uma fase transitória. Até encontrarmos uma situação alternativa”, disse o presidente, defendendo “uma construção, fazendo uma interligação entre o Jardim de Infância, a Creche e o primeiro e segundo Ciclo”.

O Regulamento foi aprovado na última reunião de executivo e foi levado na sexta-feira à Assembleia Municipal para aprovação.

PUB
Paula Mourato
A sua formação é jurídica mas, por sorte, o jornalismo caiu-lhe no colo há mais de 20 anos e nunca mais o largou. É normal ser do contra, talvez também por isso tenha um caminho feito ao contrário: iniciação no nacional, quem sabe terminar no regional. Começou na rádio TSF, depois passou para o Diário de Notícias, uma década mais tarde apostou na economia de Macau como ponte de Portugal para a China. Após uma vida inteira na capital, regressou em 2015 a Abrantes. Gosta de viver no campo, quer para a filha a qualidade de vida da ruralidade e se for possível dedicar-se a contar histórias.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

APOIE O NOSSO JORNAL, TORNE-SE UM LEITOR BENEMÉRITO

Se lê regularmente as nossas notícias torne-se um leitor benemérito fazendo contribuições a partir de 10€/mês, ou doando valores iguais ou superiores a 100€. Esses leitores passam a constar da ficha-técnica como apoiantes deste projeto independente de jornalismo. Pode também fazer uma contribuição pontual (5€, 10€, 20€, o que puder e quiser).