Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Sexta-feira, Outubro 22, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Sardoal | Santa Casa da Misericórdia com salários em dia, garante autarca

A Santa Casa da Misericórdia de Sardoal voltou a ser tema de debate em reunião de Câmara Municipal. Na quarta-feira, 16 de setembro, o vereador Pedro Duque, eleito pelo Partido Socialista, questionou o presidente sobre a situação financeira daquela instituição no que diz respeito ao incumprimento parcial do pagamento dos vencimentos aos trabalhadores.

- Publicidade -

“Bem sabemos que é uma instituição particular e que a Câmara não se deve imiscuir na sua gestão quotidiana, mas ainda assim, estes eventuais incumprimentos têm impacto na realidade social de vários aglomerados populacionais do nosso concelho”, deu conta o vereador Pedro Duque ao interrogar Miguel Borges (PSD), presidente da Câmara de Sardoal.

Miguel Borges deu conta que “acompanha a situação com preocupação”, até como presidente da Mesa da Assembleia Geral da Santa Casa da Misericórdia de Sardoal, constituindo-se aquela instituição como o segundo maior empregador do concelho.

- Publicidade -

Esclareceu não ter “nenhum poder deliberativo na Santa Casa da Misericórdia”, uma vez que não integra o órgão executivo, e explicou que a sua competência passa por “gerir os trabalhos e fazer as convocatórias. Infelizmente há pessoas nesta terra com uma vontade de me colar às decisões da Mesa Administrativa”, notou.

Ainda assim, sublinhou Borges, “como presidente de Câmara qualquer problema de uma qualquer entidade do concelho, seja pública ou privada, é uma preocupação” no sentido que “possa causar transtorno naquilo que é o dia a dia normal dos nossos cidadãos. Algumas pessoas dirigem-se a mim manifestando as suas preocupações”, deu conta.

Reunião da Câmara Municipal de Sardoal. Créditos: mediotejo.net

Miguel Borges avançou que “os ordenados estão em dia. Na altura foi enviada uma missiva a todos os funcionários dizendo que receberiam metade do vencimento naquela altura e a outra metade seria no dia 10 do mês de setembro e foi cumprido”.

Considerou, contudo, que os eleitos “têm a obrigação de não introduzir ruído. Oiço muitas coisas que são verdades mas também oiço muitas inverdades e essas não criam estabilidade, principalmente nos utentes e nos trabalhadores. Um trabalhador que não esteja motivado, e que possa ter essa preocupação, nunca na vida, por muito que queira e por bom profissional que seja, conseguirá ter empenho profissional como seria desejado. A motivação é muito importante e se a desmotivação está associada a uma redução de salário ou eventualmente a perda de posto de trabalho, é dramático!”, considerou.

Como presidente da Mesa da Assembleia Geral da Santa Casa da Misericórdia de Sardoal, Miguel Borges deu conta de ter convocado uma reunião extraordinária para o dia 26 de setembro “onde todos estes assuntos serão abordados”.

A sua formação é jurídica mas, por sorte, o jornalismo caiu-lhe no colo há mais de 20 anos e nunca mais o largou. É normal ser do contra, talvez também por isso tenha um caminho feito ao contrário: iniciação no nacional, quem sabe terminar no regional. Começou na rádio TSF, depois passou para o Diário de Notícias, uma década mais tarde apostou na economia de Macau como ponte de Portugal para a China. Após uma vida inteira na capital, regressou em 2015 a Abrantes. Gosta de viver no campo, quer para a filha a qualidade de vida da ruralidade e se for possível dedicar-se a contar histórias.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome