Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -
Quinta-feira, Maio 13, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Sardoal | Problema de mau cheiro na Tapada da Torre identificado e solucionado em três semanas

Várias reclamações foram efetuadas junto da empresa Tejo Ambiente por causa de maus cheiros na Tapada da Torre e na Rua do Impasse, em Sardoal, nomeadamente pela Junta de Freguesia. O problema ambiental foi também abordado pelo presidente da Câmara em reunião de executivo e voltou outra vez a reunião de Câmara na quarta-feira. O vice-presidente Jorge Gaspar (PSD) avançou que o problema estava identificado e prende-se com a “sifonagem”, ou seja, um problema de canalização que será resolvido “em três semanas”.

- Publicidade -

A causa de maus cheiros no interior dos prédios na Tapada da Torre e na Rua do Impasse está relacionada com os sifões, explicou o vice-presidente Jorge Gaspar em reunião de executivo realizada na quarta-feira, dia 7 de abril.

Tal como o mediotejo.net já tinha noticiado, a empresa Tejo Ambiente chegou a semelhante entendimento. Em resposta à Junta de Freguesia de Sardoal, documento a que o nosso jornal teve acesso, é referido que “após diversas deslocações ao local, foram efetuadas limpezas aos coletores existentes, na Tapada da Torre e na Rua do Impasse, em dias distintos, apesar de não se terem verificado obstruções nem nenhuma não conformidade que provocasse tal ocorrência”.

- Publicidade -

“Caso o cheiro persista e ocorra no interior do edifício, solicitamos que verifique se o sistema de sifonagem está a funcionar corretamente, se todas as caixas existentes no interior no edifício se encontrem conformes e se existem sifões em todos os pontos de descarga de água residuais. De referir que os sifões são dispositivos integrados nos aparelhos sanitários ou inseridos nos ramais de descarga que têm como objetivo impedir a passagem de gases para o interior dos edifícios”, conclui.

OIÇA AQUI O VICE-PRESIDENTE JORGE GASPAR

Jorge Gaspar confirma que os técnicos da Câmara Municipal e da empresa Tejo Ambiente – responsável pelo saneamento no concelho de Sardoal – estiveram no terreno “procederam-se a algumas limpezas com maior frequência da conduta geral e houve uma ligeira redução [de mau cheiro]. Infelizmente não ficou eliminada totalmente a questão mas está mais reduzida” vinca.

O vice-presidente indicou ainda que nos prédios da Tapada da Torre, propriedade do Município de Sardoal, “havendo sifonagem a funcionar como deve ser todos os cheiros, existam ou não, não podem chegar dentro da casa” sendo obrigação do Município “enquanto senhorio que tal [mau cheiro] não entre” dentro das habitações, disse.

Face à idade dos prédios, Jorge Gaspar explicou ter sido “identificada uma situação que se prende com a sifonagem dos tubos de descarga das máquinas de lavar e dos tanques de lavagem de roupa. É por aí que o cheiro vem”, assegura.

Estando identificado é agora “um problema a resolver casa a casa. Porque tem muito a ver com os inquilinos que usam ou não usam estes pontos de descarga. Aqueles que não usam estão abertos e portanto vão ser tapados e os que usam vão ser mais selados para que se elimine completamente a possibilidade do cheiro vir para o interior dos apartamentos. É isso que está a ser feito, trabalho com prioridade para aqueles que não usam esses tubos de descarga”, referiu, calculando que “em três semanas o problema estará totalmente resolvido”.

NOTÍCIA RELACIONADA

Sardoal | Maus cheiros na Tapada da Torre motivam queixas da Junta de Freguesia à Tejo Ambiente

A sua formação é jurídica mas, por sorte, o jornalismo caiu-lhe no colo há mais de 20 anos e nunca mais o largou. É normal ser do contra, talvez também por isso tenha um caminho feito ao contrário: iniciação no nacional, quem sabe terminar no regional. Começou na rádio TSF, depois passou para o Diário de Notícias, uma década mais tarde apostou na economia de Macau como ponte de Portugal para a China. Após uma vida inteira na capital, regressou em 2015 a Abrantes. Gosta de viver no campo, quer para a filha a qualidade de vida da ruralidade e se for possível dedicar-se a contar histórias.

- Publicidade -
- Publicidade -

COMENTÁRIOS

Please enter your comment!
O seu nome