Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Segunda-feira, Novembro 29, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Sardoal | Orçamento de 12 milhões aprovado pelo PSD com voto contra do PS

No concelho de Sardoal a grande novidade do exercício para 2021 volta a ser o valor do orçamento municipal, na medida em que diminui, cifrando-se nos 12 milhões e 50 mil euros, e sendo praticamente um terço para despesas com pessoal. A oposição apresentou várias propostas que lamentou não ver acolhidas no documento. As Grandes Opções do Plano foram assim aprovadas com dois votos favoráveis do PSD e dois votos contra do PS, o que obrigou o vice-presidente Jorge Gaspar a recorrer ao voto de qualidade para fazer passar o Orçamento, uma vez que o presidente Miguel Borges permanece internado com covid-19.

- Publicidade -

A Câmara Municipal de Sardoal aprovou no dia 2 de dezembro o orçamento municipal para 2021 de 12 milhões e 50 mil euros, um valor reduzido em cerca de um milhão de euros relativamente ao exercício anterior. Se no ano passado os vereadores do Partido Socialista optaram pela abstenção, este ano decidiram-se pelo voto contra muito por não verem nas proposta final das Grandes Opções do Plano contributos socialistas, explicou o vereador Pedro Duque (PS) em declaração de voto.

O executivo de maioria PSD começou por explicar através do vice-presidente, Jorge Gaspar, que em análise estiveram três documentos, as Grandes Opções do Plano – rejeitadas pela oposição -, o balanço de demonstrações e fluxos de caixa previsionais e o mapa de pessoal, contando estes últimos com a abstenção do PS.

- Publicidade -

A novidade prendeu-se ainda com a necessidade de refletir “um pouco mais nos documentos essa previsão, neste caso até 20252 embora com foco no ano 2021 numa atividade que “depende muito dos fundos comunitários. Nos próximos anos depende muito do Plano de Resiliência e Recuperação”, observou Jorge Gaspar (PSD).

No entanto, são apontadas intervenções que o executivo do PSD opta por realizar “com fundos próprios”, ou seja, recorrendo a empréstimo bancário, disse Jorge Gaspar, nomeadamente arruamentos em Cabeça das Mós, a conclusão da pavimentação e passeios do Parque Empresarial, passeios do Vale da Carreira, o Parque de Autocaravanas, e a Rua da Tapada da Torre.

Da parte da oposição, o vereador eleito pelo PS, Pedro Duque, disse concordar com algumas propostas do PSD considerando que “esta discussão deve versar sobre as posições políticas, os projetos que se apresentam e não tanto sobre os números e previsões desses números” uma vez que são “consequência das decisões políticas tomadas ao longo do tempo”.

Adiantou que no âmbito da discussão e aprovação dos documentos previsionais para o ano de 2021, apresentaram sugestões para a proposta de Orçamento mas “a esmagadora maioria das nossas sugestões não foi acolhida”, notou o vereador socialista.

Nessa sequência, “para além de corroborarmos a importância da prossecução de um conjunto de projetos já propostos pelo executivo, e cuja urgência já se vem arrastando e sem resolução, há vários anos a esta parte” os socialistas questionaram “a possibilidade de todos eles virem a ser executados, designadamente: Pavimentação e arruamentos de Cabeça das Mós; Pavimentação e arruamentos de Entrevinhas; Pavimentação e arruamentos de Andreus; Pavimentação da Estrada de Valhascos; Reabilitação do Largo Lobato Correia em Valhascos; Arruamentos da Vila de Sardoal; Reparação do talude da entrada sul da Vila; Conclusão da pavimentação do PES; Reparação / Pavimentação da ligação da Estrada Variante N 2 – Monte Cimeiro; Reparação / Pavimentação da estrada Pisco-Arecês; Requalificação dos Prédios da Tapada da Torres; Construção de Wcs nos cemitérios de Andreus e Cabeça das Mós; ou a Requalificação dos Jardins e alegretes da na zona histórica e nos restantes espaços verdes da Vila”.

E foi precisamente indicando a reparação do talude da entrada sul da Vila que Jorge Gaspar enumerou os principais investimentos para 2021 (alguns pensados até 2025) em Sardoal, dizendo que as obras devem arrancar no inicio do próximo ano, adiantando que os proprietários dos terrenos “já estão todos identificados”.

Para além disso são prioritárias as obras no externato Santa Isabel; a requalificação da piscina coberta com eficiência energética; pavimentação e arruamentos de Cabeça das Mós e Entrevinhas; parque de autocaravanas; pavimentação do cruzamento de Andreus; a reparação da estrada do Brescovo; a segunda fase dos passadiços da ruas do centro histórico no âmbito do PARU; a reparação da pavimentação entre a variante e o Monte Cimeiro e Arecês e Valhascos; requalificação do Largo de Valhascos; pavimentação da Rua da Fonte na Tojeira; pavimentação do Vale Amarela; arruamentos em Sardoal, nomeadamente a Praça Nova; Conclusão e pavimentação da Estrada do Val do Mu e Vale da Velha.

Também a requalificação da entrada sul de Sardoal, com ligação da Vila ao Ribeiro Barato em vias pedestre e cicláveis, com um plano de mobilidade urbana; construção de um pontão em Panascos; a requalificação da ponte dos Barbilongos; o Parque de Negócios de Andreus; o alargamento do Parque Empresarial em sede de PDM; a requalificação do Mercado Diário; a requalificação do Lagar dos Paulinos; requalificação da área de Lazer da Rosa Mana; a construção do Centro de BTT; a requalificação da área de lazer da Lapa; manutenção do parque infantil e de manutenção na Tapada da Torre; apoio da Junta de Freguesia de Alcaravela na construção de um Parque Infantil em Alcaravela; requalificação do piso dos parques infantis de Andreus e do jardim de infância; a requalificação da Cadeia Velha enquanto espaço museológico; requalificação de fontes e fontanários na zona da Vila; a sinalética turística e cultural de todo o património sardoalense; a praia fluvial e parque de campismo da Lapa; requalificação do Centro de Férias do Codes pela Grande Rota da Prata e do Outro e também pela Estrada Nacional 2.

Ainda a destacar a recuperação do Miradouro da Matagosa, a coordenar com Abrantes, e porque a previsão é até 2025 avançou com a substituição do relvado do parque desportivo.

Por seu lado, o PS propôs a inclusão de um conjunto de projetos no Orçamento, considerados de “fulcral importância, numa estratégia de crescimento económico e de fixação de população no Concelho”, alguns deles aceites pelo executivo social democrata.

Entre eles destaca-se a Contratação de um estudo técnico acerca da criação de uma entrada a sul da Vila, que contemple uma acessibilidade mais alargada, evitando as curvas que antecedem a Capela de S. Sebastião; Contratação de um estudo técnico destinado à elaboração de uma carta estratégica de ordenamento, aproveitamento/rentabilização e incentivo aos proprietários relativamente à Floresta e aos espaços florestais do Concelho; Estudo de viabilidade da criação de uma Praia Fluvial na Ribeira das Sarnadas, a jusante da Ponte do Vale Diogo, antes da confluência com a ribeira dos Panascos; Estudo de viabilidade da criação de uma Praia Fluvial na aldeia do Malhadal; Estudo de viabilidade da criação de uma Praia Fluvial na aldeia de Andreus a montante do acesso à Capela da Senhora dos Barbilongos, e a criação de uma zona de de Lazer e parque de merendas na Freguesia de Santiago de Montalegre, incluído na Grande Rota da Prata e do Ouro.

o O PS defendeu também a conclusão e pavimentação da Estrada do Val do Mu e ligação ao cruzamento da N358; Ampliação do PES; Negociação da aquisição do Loteamento sito na localidade de Andreus, contíguo ao recinto de Festas da aldeia, por forma a disponibilizar à população aqueles lotes para construção a custos controlados e direcionados prioritariamente à fixação casais novos; Criação de uma Rúbrica Orçamental para fazer face às contingências emergentes da pandemia covid-19, de 100 mil euros; Reforço das transferências das verbas para as Juntas de Freguesia em 20% atendendo à incapacidade do Município para o apoio na disponibilização de Maquinaria para a limpeza de caminhos; Atribuição de 10 vouchers de 100 euros para consumo do comércio local por duas ocasiões (Semana Santa e Natal); Restituição da Festa da Flor, e a manutenção e reforço do Orçamento Participativo para uma verba de 20 mil euros.

Relativamente ao Orçamento Participativo Jorge Gaspar esclareceu que o PSD pretende manter os 10 mil euros e promover um orçamento participativo jovem com 5 mil euros.

No orçamento Municipal de Sardoal para 2021, a oposição notou verificar-se “problemas estruturais, essencialmente ao nível do orçamento da receita, onde se verifica que o Município depende quase exclusivamente das transferências da Administração Central, numa percentagem superior a 95%, após o cumprimento dos encargos assumidos e essenciais para o funcionamento do Município, resta uma fatia cada vez menor de recursos para investimentos em matérias estratégicas”.

Os vereadores do PS deram conta de um Orçamento real na ordem dos 6,4 milhões de euros, sendo 3,8 milhões destinados às despesas com pessoal, cerca de 1,8 milhões destinados à Aquisição de Bens e Serviços e cerca de 0,5 milhões a encargos com a Banca (Juros + Amortizações), pelo que, “assumidamente sobram cerca de 300 mil euros”.

Por isso, consideram que no Orçamento para 2021 “não se vislumbram sinais de existência de uma estratégia de combate à desertificação do Concelho, tendente à fixação e captação de população jovem, desenvolvimento industrial e do comércio local”.

Assim, os vereadores eleitos pelo Partido Socialista, votaram contra da aprovação da Grandes Opções do Plano, obrigando o vice-presidente Jorge Gaspar a recorrer ao voto de qualidade para fazer passar o Orçamento, uma vez que o presidente Miguel Borges (PSD) permanece internado com covid-19.

A sua formação é jurídica mas, por sorte, o jornalismo caiu-lhe no colo há mais de 20 anos e nunca mais o largou. É normal ser do contra, talvez também por isso tenha um caminho feito ao contrário: iniciação no nacional, quem sabe terminar no regional. Começou na rádio TSF, depois passou para o Diário de Notícias, uma década mais tarde apostou na economia de Macau como ponte de Portugal para a China. Após uma vida inteira na capital, regressou em 2015 a Abrantes. Gosta de viver no campo, quer para a filha a qualidade de vida da ruralidade e se for possível dedicar-se a contar histórias.

- Publicidade -
- Publicidade -

1 COMENTÁRIO

  1. Nota-se neste orçamento, que cerca de 4 milhões de euros são só para encargos com pessoal (+ ou – um terço do orçamento), não terá a colmeia excesso de abelhas? Mas atenção! é que os ditos bichos são bastante laboriosos. Já agora, deveria ser incluida uma rúbrica, para a manutenção do aeroporto… tristes municipes dependentes destes iluminados

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome