Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Sábado, Julho 24, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Sardoal | Onde o Jazz (também) não é de fora!

Pegando na expressão de que “no Sardoal ninguém é de fora”, o pretérito fim de semana veio comprovar a sua autenticidade coma vila a acolher públicos oriundos de diversos pontos do país, compondo o grande audtório do Centro Cultural Gil Vicente (e não só) de apaixonados do jazz.

- Publicidade -

Na realidade, o Sardoal Jazz veio para ficar, com recordes de afluência à bilheteira a caírem na sua quase totalidade nesta que foi a sua terceira edição. E o festival não podia ter começado da melhor maneira senão com dixieland trazido pela vibrante formação “Cottas Club Jazz Band” de Bombarral, que proporcionou dois momentos distintos ao longo da sexta-feira, dia 5 de maio. Primeiro ao final da tarde, com a recepção ao presidente do município, Miguel Borges, que, dessa forma, deu início “formal” ao evento.

As ruas compuseram-se de muito swing com o grupo a percorrer algumas artérias e estabelecimentos comerciais da localidade em autêntico ambiente de New Orleans como se se tivesse recuado um centenário. A festa transportou-se para o Centro Cultural onde a noite foi de êxtase total dando para (quase) tudo até para a participação de um “convidado” especial, o próprio líder da autarquia que, mesmo no meio da surpresa de ser chamado ao palco, proporcionou um dos momentos altos do fim de semana dando o mote para os dias seguintes.

- Publicidade -

Cottas Club Jazz Band

Com um programa de elevada qualidade e bastante eclético, a celebração do jazz continuou no sábado, 6 de maio, logo pela tarde, com a actuação no jardim do complexo cultural do trio “Violets are Blues”. Os seus covers de temas emblemáticos (dos nacionais Deolinda aos carismáticos Bruce Springsteen, Katrina And The Waves, Amy Whinehouse entre muitos outros) com um toque muito pessoal de R&B ofereceram uma excelente tarde musical num ambiente de bastante elegância, mas também de convívio e boa disposição. Uma aposta certa da organização, uma vez que era uma das novidades do cartaz do Sardoal Jazz deste ano.

“Violets are Blues”

E, chegada a noite, os sons e os ritmos deslocaram-se para o palco principal para a apresentação exclusiva do músico espanhol Javier Alcántara acompanhado da sua “Short Stories Band”. Carregado de qualidade, o extremenho e seus pares viajaram pelo seu mundo mágico, tranbordando de emoções o repleto Centro Cultural que não parou de aplaudi-los a cada música que iam desfilando.

Quem teve a felicidade de assistir a este momento, “embriagou-se” com temas dos seus trabalhos ““Namouche”, “Short Stories” e “Resilience” (com maior incidência neste último) principalmente quando o coletivo luso-espanhol interpretou grandes êxitos inéditos como foi o exemplo de “She”, ou “Lisboa”, onde o flamenco se abraça com o fado numa simbiose perfeita levando a plateia ao rubro. E cada solo de Javier Alcántara (guitarras), Joaquin De la Montaña (saxofines tenor e soprano), Daahoud Salim (piano), André Ferreira (contrabaixo), André Mota (bateria) e da voz de João David Almeida, o público respondia agradecendo com palmas até ao encore final, o mítico “Resilience”.

Javier Alcántara e a sua “Short Stories Band”

Para finalizar com “chave de ouro” o terceiro Sardoal Jazz, foram convidados dois dos maiores vultos nacionais das suas áreas. As mãos talentosas de António Eustáquio (guilotão) e de Carlos Barretto (contrabaixo) conseguiram transportar os seus temas inéditos afortunados de uma musicalidade genuinamente lusa num ambiente jazzístico, ao ponto de revelar que a sua escolha para encerramento do certame não foi inocente, antes pelo contrario, mostrou-se uma aposta acertada e de grande nível.

António Eustáquio (guilotão) e de Carlos Barretto (contrabaixo)

A ideia levada à pratica pela primeira vez em 2015, da realização de um festival de jazz em Sardoal, tem por objetivo não só preencher uma lacuna na programação da região do Médio Tejo neste tipo de sonoridades como a formação de públicos nas diversas vertentes do universo cultural.

O sucesso demonstrado nas suas três edições já realizadas, levaram já o município a informar que já está assegurado o 4º Sardoal Jazz, a levar a efeito no primeiro fim de semana de maio de 2018.

Fotos: Paulo Sousa

 

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here