Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Domingo, Julho 25, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Sexteto de Pedro Madaleno hoje no Sardoal Jazz

O mês de maio volta a ser sinónimo de Jazz no Sardoal. A segunda edição do Sardoal Jazz começou ontem, dia 6, e quer continuar a tradição da primeira com mais três nomes de relevo deste estilo musical. Duas noites e uma tarde em que os sons de Nova Orleães estarão presentes no Centro Cultural Gil Vicente nos concertos de Xaral’s Dixie, Pedro Madaleno Sexteto e Mário Laginha.

- Publicidade -

O Sardoal Jazz 2016 está de volta ao concelho e tal como o tamanho do sardão (timon lepidus) o torna no maior lagarto da Europa, também o jazz se quer grande por estes lados na segunda edição da iniciativa que levou ao Centro Cultural Gil Vicente Sinfo Dixie, Lokomotiv e Yuri Daniel Quartet em 2015.

O festival começou ontem à noite com o estilo irreverente do trombone, sousafone, bateria, banjo, saxofone, bombo e trompete dos Xaral´s Dixie. Um concerto marcado pelas influências do old jazz e dixie que abriu o apetite musical para a noite de hoje, às 21:30, em que o destacado guitarrista Pedro Madaleno sobe ao palco com o seu Sexteto composto por Diogo Vida (piano), João Barradas (acordeão), Yuri Daniel (baixo), Bruno Pedroso (bateria), João David Almeida (voz e guitarra).

- Publicidade -

O cartaz tem reservado mais um momento para quem não conseguiu saciar o gosto pelo jazz de nomes reconhecidos do panorama musical português nos dias anteriores. Mário Laginha, cuja carreira de pianista e compositor dispensa apresentações, fecha o festival na tarde de domingo, pelas 16h00. Muito jazz ao alcance de todos que desembolsarem €3,00 em cada concerto ou €6,00 se a opção for o passe de três dias.

Nasceu em Vila Nova da Barquinha, fez os primeiros trabalhos jornalísticos antes de poder votar e nunca perdeu o gosto de escrever sobre a atualidade. Regressou ao Médio Tejo após uma década de vida em Lisboa. Gosta de ler, de conversas estimulantes (daquelas que duram noite dentro), de saborear paisagens e silêncios e do sorriso da filha quando acorda. Não gosta de palavras ocas, saltos altos e atestados de burrice.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here