Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Quinta-feira, Maio 13, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Sardoal | Faturação da Tejo Ambiente permanece com erros e “turbulência injustificada” (c/áudio)

A faturação apresentada pela empresa Tejo Ambiente permanece com “turbulência injustificada” em Sardoal, informou o presidente da Câmara Municipal na última reunião de executivo. Miguel Borges (PSD) deu conta de ter reunido com a administração da empresa que, desta vez, garantiu “uma outra supervisão” da faturação.

- Publicidade -

Na atuação da empresa Tejo Ambiente relativamente à faturação, em Sardoal, permanece com “turbulência injustificada”, afirmou o presidente da Câmara Municipal na quarta-feira, 28 de abril. em reunião de executivo. Contudo, Miguel Borges considerou a situação “compreensível”, reconhecendo “situações de alguma dificuldade e difíceis de explicar e difíceis de entender”.

Como presidente de Câmara de um município acionista da Tejo Ambiente, Borges admitiu que “as coisas não estão a correr bem” havendo ainda “um conjunto de munícipes que têm algumas falhas na faturação”, queixas que fazem chegar à Câmara Municipal e que depois são reencaminhadas para a Tejo Ambiente ou reclamando diretamente nos balcões da empresa intermunicipal.

- Publicidade -

Reunidos o presidente e o vice-presidente, Jorge Gaspar, com o administrador delegado, na terça-feira, 27 de abril, solicitaram “uma supervisão maior antes da faturação, para não haver erros e andarmos para trás e para a frente”, referiu Miguel Borges.

OIÇA AQUI O PRESIDENTE

A situação não é nova e arrasta-se desde novembro de 2020, quando o Município de Sardoal, pela voz do presidente de Câmara, criticou a faturação da Tejo Ambiente considerando-a “completamente desajustada” dando conta de “valores da última faturação, muitíssimo superiores aos valores habituais” manifestando preocupação e dizendo ser uma situação transversal aos seis municípios acionistas da empresa.

Em março de 2021, a faturação apresentada pela empresa Tejo Ambiente volta a causar “constrangimentos” em Sardoal, disse indicou Miguel Borges classificando os erros na faturação de “situação preocupante”.

A acrescentar a isto, a empresa Tejo Ambiente apresentou um resultado líquido negativo de 2.2 milhões de euros no ano de 2020, tendo o Município de pagar uma subvenção superior a 127 mil euros.

A Tejo Ambiente, Empresa Intermunicipal de Ambiente do Médio Tejo, E.I.M., S.A., é detida a 100% pelos municípios de Ferreira do Zêzere, Mação, Ourém, Sardoal, Tomar e Vila Nova da Barquinha, e tem como responsabilidade a gestão dos serviços públicos de abastecimento de água, o saneamento de águas residuais e a recolha indiferenciada de resíduos sólidos urbanos, nestes municípios. O Contrato de Gestão Delegada foi assinado no dia 1 de outubro de 2019.

Inicialmente estava previsto o arranque da empresa no dia 1 de janeiro de 2020 para os seis municípios, mas a transferência dos serviços de água, saneamento e resíduos para a Tejo Ambiente aconteceu apenas a 1 de junho do ano passado.

LEIA AQUI A NOTICIA RELACIONADA

Sardoal | Município critica faturação da Tejo Ambiente “completamente desajustada”

A sua formação é jurídica mas, por sorte, o jornalismo caiu-lhe no colo há mais de 20 anos e nunca mais o largou. É normal ser do contra, talvez também por isso tenha um caminho feito ao contrário: iniciação no nacional, quem sabe terminar no regional. Começou na rádio TSF, depois passou para o Diário de Notícias, uma década mais tarde apostou na economia de Macau como ponte de Portugal para a China. Após uma vida inteira na capital, regressou em 2015 a Abrantes. Gosta de viver no campo, quer para a filha a qualidade de vida da ruralidade e se for possível dedicar-se a contar histórias.

- Publicidade -
- Publicidade -

COMENTÁRIOS

Please enter your comment!
O seu nome