Sábado, Fevereiro 27, 2021
- Publicidade -

Sardoal | Espaço Cá da Terra: mais do que uma loja, um pólo de encontros

O Espaço Cá da Terra, em Sardoal, comemorou 3 anos de existência a 6 de dezembro. Anexo ao Centro Cultural Gil Vicente, pólo de cultura sardoalense, o espaço é “mais do que uma loja de produtos locais”, disse o presidente da CM Sardoal, Miguel Borges, ao mediotejo.net, acrescentando que é um pólo de encontros, de dinamização e animação sociocultural no concelho, servindo as várias faixas etárias da comunidade em geral, bem como dos turistas que visitam Sardoal.

- Publicidade -

Segundo o autarca, “o espaço vem acrescentar não só ao Sardoal, mas também à região. Na verdade é um espaço onde as pessoas podem adquirir produtos locais e regionais, porque se enquadra na estratégia da Tagus – RI para os municípios de Abrantes, Constância e Sardoal”.

Mais do que uma loja onde esses produtos são comercializados, “é também um espaço expositivo dos nossos artesãos. E ao longo destes três anos temos dado uma dinâmica muito interessante, através de diferentes provas, em diferentes áreas, através das exposições que fazemos, o próprio cinema ao ar livre, as “Tardes da Agulha e da Linha”, enumerou.

- Publicidade -

Foto: mediotejo.net
Interior do Espaço Cá da Terra: Mais do que uma loja onde esses produtos são comercializados, “é também um espaço expositivo dos nossos artesãos”, disse Miguel Borges. Foto: mediotejo.net

“Conseguimos quase sempre ter uma atividade de quinze em quinze dias, no Espaço Cá da Terra, de dinamização e de promoção daquilo que de bom se faz, daquilo que de bom temos, daquilo que de bom podemos saborear”, afirmou Miguel Borges.

Questionado quanto à adesão dos sardoalenses a esta valência, Miguel Borges assume que tem sido “muito grande”, pois “sentem que o espaço é deles. Mas também há muita gente da região que nos procura para vir buscar os nossos vinhos, os nossos doces, para comprar os nossos livros, para comprar o nosso artesanato”, acrescenta.

A afluência é maior na altura do Natal, “é uma altura em que o volume de vendas dispara, precisamente por que é um bom local para se procurar um prenda para alguém, porque há tanta coisa tão diversificada, que encontramos sempre a prenda certa”.

Forma de valorização da economia local, funciona “como um complemento àquilo que são as pequenas economias locais e os rendimentos familiares em que as pessoas aqui, através do artesanato e destas produções podem ter um acrescento às suas economias domésticas”, concluiu o presidente da câmara.

espaco_ca_da_terra_exterior
O espaço Cá da Terra situa-se no edifício do Centro Cultural Gil Vicente, em Sardoal. Foto: CM Sardoal

Com o intuito de promover e comercializar os produtos locais, tais como o artesanato, os vinhos, a doçaria, a gastronomia, as publicações e ilustrações, o espaço apresenta três valências: loja, cafetaria para prova de produtos e promoção regular de demonstrações e workshops, assim como de exposições temáticas relacionadas com a história e cultura do concelho, lê-se na informação da autarquia.

Este projeto resulta de uma iniciativa do Município, em parceria com a Tagus – Associação para o Desenvolvimento do Ribatejo Interior e com os produtores locais, funcionando em rede com outras lojas apoiadas pela TAGUS, em Abrantes, Constância e Lisboa.

Formada em Jornalismo, faz da vida uma compilação de pequenos prazeres: o conhecimento e o saber, a escrita, a leitura, a fotografia, a música. Nada supera o gozo de partir à descoberta das terras, das gentes, dos trilhos e da natureza... por isto continua a crer no jornalismo de proximidade. Já esteve mais longe de forrar as paredes de casa com estantes de livros. Não troca a paz da consciência tranquila e a gargalhada dos seus por nada deste mundo.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

APOIE O NOSSO JORNAL, TORNE-SE UM LEITOR BENEMÉRITO

Se lê regularmente as nossas notícias torne-se um leitor benemérito fazendo contribuições a partir de 10€/mês, ou doando valores iguais ou superiores a 100€. Esses leitores passam a constar da ficha-técnica como apoiantes deste projeto independente de jornalismo. Pode também fazer uma contribuição pontual (5€, 10€, 20€, o que puder e quiser).