Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Segunda-feira, Outubro 18, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Sardoal | Curtas do Mundo no Centro Cultural Gil Vicente

O formato curto do cinema regressou à região no passado dia 14 com a passagem do “Dia Mais Curto”, pelo Cineteatro S. Pedro, em Abrantes e despede-se esta quarta-feira, dia 20, no Centro Cultural Gil Vicente, no Sardoal. A iniciativa organizada pela Agência da Curta Metragem em parceria com o Espalhafitas Cineclube sugere uma noite com “Curtas do Mundo” a partir das 21h30.

- Publicidade -

Fique a conhecer as curtas-metragens*:

CURTAS DO MUNDO
(Duração 74’ · M/12)

- Publicidade -

Esta é uma sessão de curtas internacionais que apresenta várias visões do mundo nos dias de hoje, desde a guerra na Síria ao quotidiano na capital do Irão, passando pelos habitantes de um parque de campismo em Portugal, sem esquecer o espírito da época natalícia dado em tom de comédia social pela curta franco-belga “Kapitalistis”.

Saudações Desde Aleppo (Greetings From Aleppo)
Thomas Vroege, Issa Touma, Floor Van Der Meulen, Holanda-Síria, 2017, DOC, 16′
“Greetings from Aleppo” apresenta-nos uma visão da guerra na Síria que, para além de soar extremamente verdadeira, é muito distinta daquela a que estamos habituados.

Retocar (Retouch)
Kaveh Mazaheri, Irão, 2017, FIC, 20’
O marido de Maryam tem um acidente doméstico, mas esta fica impávida a vê-lo morrer em vez de tentar ajudar. Este filme venceu o Prémio do Público no 25º Curtas Vila do Conde.

A Comunidade
Salomé Lamas, Portugal, 2012, DOC, 23′
O filme “A Comunidade” propõe um olhar sobre o mais antigo parque de campismo de Portugal.

Kapitalistis
Pablo Muños Gomez, Bélgica-França, 2017, FIC, 15’
“O Pai Natal é um capitalista. Traz brinquedos para os filhos dos ricos e roupa para os filhos dos pobres.” Nikos, 5 anos.

* informação da Agência da Curta Metragem

Nasceu em Vila Nova da Barquinha, fez os primeiros trabalhos jornalísticos antes de poder votar e nunca perdeu o gosto de escrever sobre a atualidade. Regressou ao Médio Tejo após uma década de vida em Lisboa. Gosta de ler, de conversas estimulantes (daquelas que duram noite dentro), de saborear paisagens e silêncios e do sorriso da filha quando acorda. Não gosta de palavras ocas, saltos altos e atestados de burrice.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome