Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Quinta-feira, Setembro 23, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Sardoal: Cáritas assume reconstrução da casa ardida em São Simão

A reconstrução da casa na aldeia de São Simão, consumida pelas chamas durante o incêndio que lavrou nos concelhos de Abrantes e Sardoal na semana passada, vai ser assegurada pela Cáritas Diocesana de Portalegre – Castelo Branco. O anúncio foi feito na manhã desta terça-feira, dia 30, por Elicídio Bilé, presidente daquela instituição, durante uma visita ao concelho.

- Publicidade -

O presidente da Cáritas Diocesana de Portalegre – Castelo Branco, Elicídio Bilé, esteve no Sardoal esta terça-feira no seguimento do incêndio que devastou mais de 800 hectares do concelho nos passados dias 23 e 24 de agosto.

A visita incluiu uma passagem na aldeia de São Simão, evacuada durante o incêndio, e pela habitação que foi consumida pelas chamas, onde a família afetada recebeu a notícia de que a instituição assegura a reconstrução da casa.

- Publicidade -

Anúncio partilhado pouco depois por Miguel Borges, presidente da Câmara Municipal do Sardoal, no início da reunião pública do executivo na qual referiu igualmente que a família vai ficar realojada numa habitação municipal na Tapada da Torre até ao final das obras.

Segundo o autarca, a iniciativa de contactar a Cáritas “partiu do pároco local”, o padre Carlos.

O levantamento dos prejuízos realizado pela autarquia situa o investimento na ordem dos 40.000 euros, valor que pode subir uma vez que a empreitada inclui melhoramentos considerados necessários para a aumentar a qualidade de vida da família.

Miguel Borges confirmou ao mediotejo.net que “a Cáritas se disponibilizou para assumir esse valor”, assim como o procedimento de contratação da empresa responsável por “reconstruir, corrigir e melhorar” a habitação. Entre as alterações previstas estão o soalho e os barrotes de madeira “que serão substituídos por outros materiais modernos que vão ao encontro das regras de construção atuais”.

Segundo o presidente da autarquia, o processo deve ser “célere” de modo a garantir que “as coisas regressem à normalidade o mais rapidamente possível, também a nível psicológico, para aquela família”.

O apoio anunciado por Elcídio Bilé representa para Miguel Borges “um sinal de que as instituições funcionam e os casos de sucesso são muito maiores do que os que não o têm”, contribuindo para a confiança “nas instituições e nas pessoas que estão à frente dessas instituições”.

Nasceu em Vila Nova da Barquinha, fez os primeiros trabalhos jornalísticos antes de poder votar e nunca perdeu o gosto de escrever sobre a atualidade. Regressou ao Médio Tejo após uma década de vida em Lisboa. Gosta de ler, de conversas estimulantes (daquelas que duram noite dentro), de saborear paisagens e silêncios e do sorriso da filha quando acorda. Não gosta de palavras ocas, saltos altos e atestados de burrice.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome