Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Segunda-feira, Outubro 25, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Sardoal | ‘Capelas Enfeitadas com Tapetes de Flores’ património candidato às 7 Maravilhas da Cultura Popular

As ‘Capelas Enfeitadas com Tapetes de Flores’ vão representar o concelho de Sardoal na eleição às 7 Maravilhas, concurso que desta vez se dedica à Cultura Popular. No total, o Médio Tejo soma 32 patrimónios com selo de Nomeado às 7 Maravilhas da Cultura Popular entre os 471 nomeados de norte a sul do País e das ilhas.

- Publicidade -

A única candidatura do Município de Sardoal, integrada na categoria de rituais e costumes, que pretende “divulgar” e levar a cabo “uma promoção ainda maior da Semana Santa daquilo que é distintivo no Sardoal” disse ao mediotejo.net o presidente da Câmara Municipal, Miguel Borges, reconhecendo que a Procissão dos Fogaréus também seria uma boa aposta mas o Município decidiu avançar apenas com a proposta agora a concurso.

Trata-se de uma tradição da Semana Santa, decorando as Igrejas e Capelas do concelho com tapetes feitos à base de pétalas de flores e verduras naturais, com desenhos alusivos à época. Tradição que integra “o património material e imaterial do concelho, desde as pessoas irem ao campo colher as flores à execução do tapete. Uma tradição que envolve uma comunidade. Antigamente realizada pelas pessoas que viviam perto das igrejas e capelas, agora estendida a todo o concelho” nota o autarca.

- Publicidade -

Entre Quinta-feira Santa e Domingo de Páscoa, os tapetes nos templos refletem o empenho com que a comunidade sardoalense trabalha e se envolve na Semana Santa, criando verdadeiras obras de arte.

Os enfeites na vila são efetuados nas Igrejas da Misericórdia e do Convento de Santa Maria da Caridade e nas Capelas do Espírito Santo, Nossa Senhora do Carmo, S. Sebastião, Sant’Ana, Santa Catarina e Senhor dos Remédios. E também em igrejas e capelas das freguesias. Tradição que resultou também num projeto pedagógico, lembrou Miguel Borges referindo-se ao ‘Projeto Capela’ que existe há cerca de 20 anos.

Os tradicionais tapetes de flores e verduras são uma das iniciativas mais emblemáticas das Celebrações da Semana Santa e Páscoa no concelho, atraindo, todos os anos, milhares de visitantes.

Esta é uma tradição cultural que se julga ser única no País, remontando a um passado longínquo, sabendo-se que já existia com grande esplendor no século XIX.

Com usos, costumes e tradições candidatos a esta edição do concurso estão também representados os concelhos de Abrantes, Alcanena, Constância, Entroncamento, Ferreira do Zêzere, Mação, Sertã, Tomar, Torres Novas e Vila de Rei. Nos concelhos limítrofes também Chamusca e Ponte de Sor apresentaram candidaturas.

Em comunicado, a organização refere ter recebido 504 candidaturas ao seu concurso de 2020, dedicado ao tema Cultura Popular. Depois de avaliadas pelo Conselho Científico, este acabou por atribuir o selo de Nomeado a 471.

Após um Painel de Especialistas eleger sete patrimónios de cada região, a 7 de junho serão apresentados num programa em direto, na RTP1, num total de 140 finalistas, que irão participar nas eliminatórias regionais que se seguem. O Painel de Especialistas é composto por 7 elementos de cada um dos 18 distritos e 2 regiões autónomas.

Esta emissão televisiva acontece com atraso de 1 mês devido aos constrangimentos causados pela pandemia de covid-19, indica a organização.

Também a 7 de junho serão divulgadas as próximas etapas do concurso, que estão condicionadas à evolução da pandemia.

A sua formação é jurídica mas, por sorte, o jornalismo caiu-lhe no colo há mais de 20 anos e nunca mais o largou. É normal ser do contra, talvez também por isso tenha um caminho feito ao contrário: iniciação no nacional, quem sabe terminar no regional. Começou na rádio TSF, depois passou para o Diário de Notícias, uma década mais tarde apostou na economia de Macau como ponte de Portugal para a China. Após uma vida inteira na capital, regressou em 2015 a Abrantes. Gosta de viver no campo, quer para a filha a qualidade de vida da ruralidade e se for possível dedicar-se a contar histórias.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome