- Publicidade -

Sardoal | Câmara disponibiliza material informático, rede internet é ‘calcanhar de Aquiles’

A Câmara de Sardoal vai emprestar cerca de 70 computadores portáteis, tablets e acessos à Internet aos alunos com menos recursos no sentido de ser ministrado o ensino à distância a partir de segunda-feira, dia 8 de fevereiro. Em Sardoal, a rede de Internet continua a ser “o ‘calcanhar de Aquiles’ de todos estes processos, sejam eles na modalidade de ensino à distância ou no simples teletrabalho exigido aos trabalhadores.

- Publicidade -

“Neste momento e pese embora a experiência obtida com o primeiro confinamento, o quadro das necessidades apresentadas pelos alunos superou muito o esperado (aumento das necessidades). No entanto, o Município, em estreita articulação com o Agrupamento de Escolas, está a encetar todos os esforços para que as medidas de apoio a implementar possam beneficiar o maior número de alunos e que seja possível ir ao encontro das indicações emanadas pela tutela para esta modalidade de ensino”, disse ao nosso jornal o vereador responsável pelo pelouro da Educação.

Segundo Pedro Rosa, o Município “possui 24 computadores portáteis e 24 tablets que irá distribuir em função do nível de escolaridade e considerando as características técnicas dos aparelhos. Sendo que a Câmara para dar respostas às solicitações vai adquirir mais 20 computadores. A estes equipamentos acrescem os computadores do Agrupamento de Escolas”. A entrega dos equipamentos estava prevista decorrer até final da semana que agora findou.

- Publicidade -

Vereador Pedro Rosa responsável pelo pelouro da Educação em Sardoal. Créditos: mediotejo.net

Pedro Rosa acrescenta que “os equipamentos serão entregues diretamente aos alunos (apesar deste apoio ter sido alargado aos docentes no último confinamento). A distribuição obedecerá a critérios estabelecidos pelo Agrupamento de Escolas, concertados com a autarquia e terão como metodologia de entrega os princípios da Ação Social Escolar, observando também a estratégia adotada pela tutela para a distribuição dos computadores no âmbito do programa Escola Digital”.

A distribuição e acompanhamento técnico serão efetuados pelos técnicos da autarquia. Para o vereador responsável pela Educação “a prestação deste serviço é de fulcral importância considerando que no primeiro confinamento, as saídas para manutenção foram constantes e o Agrupamento de Escolas não possui recursos para este efeito. Esta disponibilidade permite que os alunos não fiquem privados dos recursos disponibilizados mais de 24 horas (em casos normais de avaria)”.

Em Sardoal, a rede de Internet continua a ser “o ‘calcanhar de Aquiles’ de todos estes processos e sejam eles a modalidade de ensino à distância ou o simples teletrabalho exigido aos trabalhadores”.

Um problema que o vereador social-democrata afirma ser “transversal a todos os territórios, no entanto, com mais incidência para os localizados no excessivamente mencionado ‘Interior'”. Importa assim,” que as operadoras de comunicações também estejam sensíveis a esta realidade e que seja possível reforçar a capacidade da rede, por forma a que nenhum aluno fique privado do acesso às suas aulas e de todas condições necessárias à interação com o professor e com grupo turma” defende.

Pedro Rosa adianta que “neste momento, foram solicitadas 10 soluções de acesso à rede de Internet, tendo sido já adquiridos 5 hotspots com capacidade suficiente para o desenvolvimento das atividades letivas e por um período de tempo suficientemente amplo. Esperamos receber os restantes em prazo útil para suprimir todos os pedidos” disse.

As aulas arrancaram em 2021 na nova escola, no Sardoal, para poucos dias depois fechar portas devido à pandemia de covid-19. Créditos: CMS

O responsável enumerou algumas medidas que estão a ser preparadas para serem implementadas ou que já se encontram em execução, nomeadamente “disponibilização de refeições aos alunos integrados nos escalões A e B em regime de take away, entrega das refeições ao domicílio no caso dos alunos residentes nas localidades fora da Vila; suspensão do pagamento das AAAF – Atividades de Animação e Apoio à Família (no Ensino Pré-Escolar), e a manutenção destas atividades na modalidade à distância.

Para além disso, há a destacar a abertura do estabelecimento de ensino de acolhimento para apoio aos Encarregados de Educação que não podem deixar de prestar serviço, ou seja, profissionais da ‘linha da frente’ (início dia 8). E ainda na Creche Municipal, a suspensão do pagamento da mensalidade e abertura para os filhos dos profissionais da ‘linha da frente’. Neste momento encontra-se aberto o berçário com a prestação do serviço habitual” explica.

Com estas medidas, a Câmara pretende “atenuar todas as assimetrias proporcionando as condições necessárias, sejam elas diretas, através da disponibilização de equipamentos informáticos, ou indiretas, através dos apoios sociais, para que todos os alunos estejam preparados para esta realidade que se espera prolongada” acrescentou o vereador.

Pedro Rosa considera que “esta experiência não será muito diferente da anterior sobretudo nas expectativas e dúvidas que se colocam sobre todo este processo de Ensino/Aprendizagem. Ainda assim, estou confiante que todos crescemos com a última experiência e que só o envolvimento de toda a comunidade educativa (escola, alunos, pais, autarquias, comunidade civil) permitirá alcançar o sucesso esperado”.

A sua formação é jurídica mas, por sorte, o jornalismo caiu-lhe no colo há mais de 20 anos e nunca mais o largou. É normal ser do contra, talvez também por isso tenha um caminho feito ao contrário: iniciação no nacional, quem sabe terminar no regional. Começou na rádio TSF, depois passou para o Diário de Notícias, uma década mais tarde apostou na economia de Macau como ponte de Portugal para a China. Após uma vida inteira na capital, regressou em 2015 a Abrantes. Gosta de viver no campo, quer para a filha a qualidade de vida da ruralidade e se for possível dedicar-se a contar histórias.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
O seu nome

APOIE O NOSSO JORNAL, TORNE-SE UM LEITOR BENEMÉRITO

Se lê regularmente as nossas notícias torne-se um leitor benemérito fazendo contribuições a partir de 10€/mês, ou doando valores iguais ou superiores a 100€. Esses leitores passam a constar da ficha-técnica como apoiantes deste projeto independente de jornalismo. Pode também fazer uma contribuição pontual (5€, 10€, 20€, o que puder e quiser).