Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Quarta-feira, Outubro 20, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Sardoal | Câmara aprova aumento do preço da água em 2%, fatura sobe 26 cêntimos

A Câmara Municipal de Sardoal aprovou na sexta-feira, por unanimidade, o aumento da tarifa da água e de RSU em 2% para 2019, aumento que, segundo a proposta discutida em reunião de Executivo, segue uma recomendação da Entidade Reguladora dos Serviços de Águas e Resíduos (ERSAR).

- Publicidade -

A proposta, do Executivo do presidente Miguel Borges (PSD) aprovada, por unanimidade, na reunião de Câmara, esta sexta-feira, 21 de dezembro, explica que “o aumento em 2% do tarifário de água, para consumidores domésticos, segue as recomendações da ERSAR”, tal como para a tarifa de Resíduos Sólidos Urbanos (RSU) (os mesmos 2% de aumento). A tarifa de saneamento de águas residuais mantém-se igual à aplicada em 2018.

Reunião de Câmara de Sardoal

- Publicidade -

Assim, a Câmara de Sardoal atualiza os valores das tarifas da água e de RSU, com aumentos que implicam que um cliente da tipologia ‘doméstico’ que consuma mensalmente 10 metros cúbicos de água pague mais 0,19 euros de tarifário de abastecimento público de água em 2019. Já a tarifa de RSU para o ano de 2019 aumenta 0,7 euros o que contabiliza no total 26 cêntimos a mais na fatura da água em cada mês, explicou o vice-presidente Jorge Gaspar ao mediotejo.net.

Há semelhança de anos anteriores, serão mantidos os tarifários especiais, nomeadamente o tarifário social com bonificações particulares de apoio a famílias economicamente mais desfavorecidas e o tarifário destinado a apoiar as famílias numerosas.

Note-se que estes valores aplicam-se à “tarifa base”, beneficiando, por isso, “quem regista menores consumos”.

A estrutura tarifária e os preços propostos foram submetidos a parecer da ERSAR, propondo-se a sua aplicação após o dia 01 de janeiro de 2019.

A sua formação é jurídica mas, por sorte, o jornalismo caiu-lhe no colo há mais de 20 anos e nunca mais o largou. É normal ser do contra, talvez também por isso tenha um caminho feito ao contrário: iniciação no nacional, quem sabe terminar no regional. Começou na rádio TSF, depois passou para o Diário de Notícias, uma década mais tarde apostou na economia de Macau como ponte de Portugal para a China. Após uma vida inteira na capital, regressou em 2015 a Abrantes. Gosta de viver no campo, quer para a filha a qualidade de vida da ruralidade e se for possível dedicar-se a contar histórias.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome