Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Domingo, Julho 25, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Sardoal: Autarquia aprovou contas 2015 com resultado negativo de 169 mil euros

A Câmara Municipal de Sardoal teve um resultado líquido negativo de 169 mil euros nas contas referentes ao exercício de 2015 provocado pelo aumento das amortizações, a diminuição de subsídios e pelos investimentos realizados.

As contas da Câmara Municipal de Sardoal relativas ao ano de 2015 foram apresentadas durante a última reunião do executivo camarário, que se realizou esta quinta-feira, dia 21 de abril, e revelaram um resultado líquido negativo de 169 mil euros o que para Miguel Borges, presidente da Câmara Municipal de Sardoal, “não é preocupante” uma vez que este resultado foi “causado pelo aumento das amortizações, pela diminuição de subsídios, no caso de um subsídio que não tivemos no ano anterior referente às florestas”.

“Este resultado que não é nada preocupante”, afirmou o autarca durante a reunião de Câmara referindo ainda que “é na verdade um conjunto despesas superiores às receitas, e é algo que tem que ser corrigido e a juntar a tudo isto há um conjunto de investimentos que fizemos. Há também um aumento de custos de perdas extraordinárias, como o caso das águas (no valor de cerca de 100 mil euros), também causados por investimentos que fizemos na CIMT no âmbito do programa COMPETE, também se reflete nos subsídios à natalidade, que não existia há dois anos no orçamento e que existe no orçamento de 2015 e fez com que tivéssemos esse resultado”.

Durante a apresentação das contas do ano de 2015, Miguel Borges sublinhou ainda que “houve mais custos do que proveitos, é algo que, na nossa gestão autárquica, não é nada dramático, mas é sempre melhor positivo do que negativo, mas recordo que há dois anos foi positivo em cerca de 5 mil euros.”

“Há uma diminuição global da dívida de 394 mil euros, o prazo médio de pagamentos também diminuiu, não diminuiu tanto como nós gostaríamos mas isso também ficou-se a dever ao investimento que foi feito na Loja do Cidadão e do qual ainda estamos, neste momento, para receber cerca de 140 mil euros, aos quais se junta cerca de 40 mil euros do Instituto de Conservação da Natureza e temos também ainda dinheiro a receber dos estágios Pepal”, explicou Miguel Borges.

sardoal_Loja do Cidadão (Foto: mediotejo.net)
Do investimento que a autarquia realizou na Loja do Cidadão, ainda está por receber cerca de 140 mil euros dos apoios dos fundos comunitários (Foto: mediotejo.net)

Na ocasião, o autarca salientou que “ao longo dos anos nós temos tido rigor na gestão financeira, rigor no sentido em que tudo aquilo que é feito, é calculado, sabendo da possibilidade, sem entrarmos em aventuras. Este relatório mostra um conjunto de atividades que mantivemos ao longo dos outros anos, sem que com isso tenhamos aumentado as receitas, pelo contrário, as receitas próprias diminuíram, fruto também daquilo que foi a nossa opção, nomeadamente no que diz respeito ao IMI, que tem sido nossa opção ter vindo a diminuir”.

Na discussão sobre as contas camarárias, o vereador Fernando Vasco (PS) referiu que “as Contas foram certificadas por contabilista e revisor certificado” e que “o mais grave, e é isso que valida o nosso voto, é a política que está por detrás dessas contas e que nós entendemos que devem de ser mais acentuadas no capítulo social e do investimento e que não vemos devidamente retratadas nestas contas e por isso vamos votar contra, não pelos números, mas pela política que está por detrás, com a qual discordamos”.

Por sua vez, o vereador Rui Serras (GIS) referiu que “é preocupante o facto da dívida de curto prazo ter aumentado” ao que Miguel Borges explicou que esse aumento de cerca de 197 mil euros se refere aos 140 mil euros que a autarquia tem a receber da Loja do Cidadão, que ainda não foram recebidos, e 120 mil euros do Pepal.

Rui Serras salientou ainda que o resultado negativo “deve de ser preocupante, com diminuição das receitas que é preocupante e há alguns indicadores que deverão de ser tidos em consideração”, afirmando que o seu sentido de voto é favorável no que se refere ao ponto relativo à prestação de contas, que foram aprovadas com quatro votos a favor e um contra (PS).

Ao médiotejo.net, Miguel Borges, presidente da Câmara de Sardoal, destacou que “são contas que nós temos perfeitamente controladas, resultados negativo de 160 mil euros é perfeitamente calculado e justificado e que, se é negativo é claro que não é bom, mas não é grave, não põe em causa a gestão do Município e prova disse é o empréstimo que hoje aprovamos de mais de 700 mil euros, que é um investimento grande e se o podemos fazer é porque o Município tem capacidade de endividamento”.

Entrou no mundo do jornalismo há cerca de 13 anos pelo gosto de informar o público sobre o que acontece e dar a conhecer histórias e projetos interessantes. Acredita numa sociedade informada e com valores. Tem 35 anos, já plantou uma árvore e tem três filhos. Só lhe falta escrever um livro.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here