Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -
Quarta-feira, Setembro 22, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Sardoal | Autarca diz que perda da população é “problema nacional” e que concelho está “no bom caminho” (c/áudio)

“Estamos a falar de um problema que é nosso, local, mas é um problema nacional (…) que tem de ser entendido como tal”, disse o presidente da Câmara Municipal de Sardoal em reação aos resultados preliminares dos Censos 2021, que apontam uma perda de população no concelho de cerca de 400 pessoas, na ordem dos 10%. Apesar dos números não deixarem o autarca satisfeito, Miguel Borges defende que está a acontecer “uma inversão desta tendência”, ainda que lenta.

- Publicidade -

“Estamos num caminho lento mas estamos num bom caminho”, admite o presidente da Câmara Municipal do Sardoal apesar dos resultados preliminares dos Censos 2021. Com uma redução da população em cerca de 10,5% em 10 anos, o Sardoal é o terceiro município do Médio Tejo com maior perda populacional na última década, de acordo com os dados divulgados pelo INE, que dão conta de menos 413 residentes na totalidade do concelho – números que, desde logo, Miguel Borges (PSD) admite não serem coincidentes com aqueles que a mesma entidade lhe fez chegar, na ordem dos 361. Ressalve-se que estes são ainda resultados provisórios.

“Matematicamente, não há dúvida nenhuma de que reduzimos a nossa população em cerca de 10%. Matematicamente, também não há dúvida nenhuma de que isto aconteceu à esmagadora maioria dos municípios deste país. (…) Por isso, nós estamos a falar de um problema que é nosso, local, mas é um problema nacional (…) que tem de ser entendido como tal”, defende o presidente sardoalense.

- Publicidade -

Apesar de criticar a falta de políticas nacionais de atratividade e de considerar que se tem “vendido mal” o interior de Portugal continental, Miguel Borges defende que no município têm sido implementadas medidas que “nos levam a pensar que até resultam, só que o resultado delas não é imediato”.

Miguel Borges, presidente da CM Sardoal, em reunião de Câmara via online. DR

Não obstante, sublinha que “os municípios têm uma margem muito pequena de manobra”, situação à qual se junta o envelhecimento da população e os óbitos. “Só o ano passado, tivemos cerca de 90 óbitos, há muitos anos que não tínhamos tantos”, afirma.

ÁUDIO | Miguel Borges, presidente da Câmara Municipal de Sardoal

Apesar do decréscimo da população nos últimos 10 anos, o edil admite a existência de indicadores que mostram uma inversão desta tendência, sobretudo a partir de 2017/2018, nomeadamente o aumento do número de inscritos no pré-escolar (sardoalenses), o aumento da média de pernoitas em alojamentos turísticos do concelho, bem como a instalação (de março de 2019 a 2021) de quatro novas empresas na zona industrial.

Valores que “indicam crescimento, crescimento lento” mas ainda não suficiente. “Se me perguntar se estou satisfeito? Não estou”, confessa, admitindo o trabalho nesse sentido.

ÁUDIO | Miguel Borges, presidente da Câmara Municipal de Sardoal

Da mesma visão não partilha Pedro Duque, vereador socialista na Câmara Municipal de Sardoal que, na última reunião do executivo, expôs a sua insatisfação com os resultados preliminares apurados para o concelho.

“Eu lamento não partilhar da sua visão quase romântica da evolução demográfica do concelho de Sardoal porque os sardoalenses sentem no dia a dia que a dinâmica quer empresarial quer social, por via de haver cada vez menos pessoas, está-se a perder, não há dúvida nenhuma, isso é evidente, sente-se a cada dia que passa”, afirmou, em resposta às declarações do presidente da Câmara.

Numa declaração política relativa aos resultados preliminares dos Censos, o vereador do PS considera a redução da população “expectável” e “esperada”, sublinhando que tal “não traz qualquer tipo de satisfação, muito pelo contrário”. “Causa-nos muita preocupação, até porque é o reflexo da realidade do nosso concelho que não consegue segurar os seus jovens e não consegue reunir condições para a fixação de novos residentes, não obstante as condições naturais ímpares de que dispõe para aqui residir com qualidade”, declarou.

Pedro Duque, vereador do PS na Câmara Municipal do Sardoal. DR

Apontando o dedo a quem “por incapacidade de interpretação dos sinais e indicadores ou por mero exercício de propaganda, negava com determinação esta triste mas efetiva realidade”, Pedro Duque admite que “o Sardoal tem tido um presidente que tem ignorado este problema da perda da população (…) e tem deixado para planos secundários a definição de uma estratégia que vise o desenvolvimento económico e o crescimento demográfico do concelho”.

ÁUDIO | Pedro Duque (PS), vereador na Câmara Municipal de Sardoal

Em resposta aos argumentos apresentados por Miguel Borges para justificar a inversão da tendência da perda de população, Pedro Duque expôs aqueles que admite serem “dados objetivos que sustentam uma tese contrária”, sublinhando, desde logo, dois fatores essenciais para atrair habitantes: emprego e habitação.

ÁUDIO | Pedro Duque (PS), vereador na Câmara Municipal de Sardoal

“Não vejo aqui qualquer tipo de inversão”, concluiu o vereador do PS.

Abrantina mas orgulhosa da sua costela maçaense, rumou a Lisboa com o objetivo de se formar em Jornalismo. Foi aí que descobriu a rádio e a magia de contar histórias ao ouvido. Acredita que com mais compreensão, abraços e chocolate o mundo seria um lugar mais feliz.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome