Sardoal | Atividades pascais da Semana Santa canceladas

Semana Santa em Sardoal. Créditos: Paulo Jorge de Sousa

As atividades religiosas e não religiosas no âmbito da Semana Santa de Sardoal foram canceladas considerando a evolução da situação relativa ao Covid-19, disse ao mediotejo.net o presidente da Câmara Municipal de Sardoal, Miguel Borges (PSD) referindo-se, nomeadamente às procissões e às capelas e igrejas enfeitadas com tapetes de flores que caracterizam a Semana Santa de Sardoal e que envolvem milhares de pessoas e turistas.

Esta decisão consolidou-se após o comunicado do bispo da Diocese de Portalegre – Castelo Branco e a decisão da Conferência Episcopal Portuguesa de suspender as missas e outros atos de culto até que esteja superada a atual situação de emergência de disseminação do novo coronavírus.

Após a comunicação do bispo D. Antonino Dias onde refere que devem ser cancelados “atos culturais e atos de culto como concertos, procissões, vias-sacras ao ar livre e outras iniciativas que envolvem visitantes e maior aglomeração de pessoas” e ainda que nesta fase, e até novas indicações, “será bom encerrar as igrejas às visitas turísticas”, Miguel Borges considera que “não faz sentido enfeitar” as capelas e igrejas notando que apenas uma é propriedade da Câmara Municipal.

Reunião em Sardoal da Comissão Distrital de Proteção Civil de Santarém. Créditos: Paulo Jorge de Sousa

A pandemia pelo novo coronavírus levou a reunir esta manhã, em Sardoal, a Comissão Distrital de Proteção Civil para discutir o “estado de alerta” decidido ontem pelo Conselho de Ministros e as recomendações da Direcão-Geral da Saúde. O Governo anunciou ao País um conjunto de medidas especiais e de carácter urgente aprovadas, para dar resposta à situação epidemiológica do Covid-19. Hoje o Ministério da Administração Interna e Ministério da Saúde declararam “estado de alerta” em todo o País, colocando os meios de proteção civil e as forças e serviços de segurança em prontidão.

Em Sardoal, a Comissão Distrital de Proteção Civil de Santarém, da qual Miguel Borges é presidente, juntou várias entidades como autoridades de saúde pública, câmaras municipais, individualidades religiosas e militares, o Comandante Distrital de Operações de Socorro ou comunidades intermunicipais para “ouvir, questionar e refletir e depois decidir” no caso, segundo o responsável, “seguir as recomendações da Direção-Geral da Saúde na proteção da saúde pública. Não vale a pena ir mais além, mas cumprir escrupulosamente as orientações”, nomeadamente de higienização.

Até ao momento não há registo de qualquer doente por Covid-19 na região do Médio Tejo sendo quatro os infetados na região da Lezíria.

Reunião em Sardoal da Comissão Distrital de Proteção Civil de Santarém. Créditos: Paulo Jorge de Sousa

Por causa da situação relativa ao COVID-19, o Municipio de Sardoal tomou, entretanto, algumas medidas, de acordo com as orientações emanadas pelas autoridades de saúde pública, procedendo ao encerramento da Biblioteca Municipal; do Cá da Terra; do Centro Cultural Gil Vicente; do Parque Desportivo; da Piscina Municipal; e do Posto de Turismo, a partir do dia 16 de março, por tempo indeterminado.

Por outro lado, nos edifícios municipais “reforçou-se os recursos humanos nos serviços de higiene e implementou-se algumas medidas restritivas nos Bombeiros Municipais, [quartel] onde só entram trabalhadores, na Loja do Cidadão e no edifício da Câmara Municipal no sentido de reduzir o número de pessoas no atendimento ao público. Só são admitidas duas pessoas de cada vez na sala de espera” explicou o presidente. Tal medida pretende “garantir a continuidade dos serviços sem pôr em risco a saúde pública” vincou.

Quanto às recomendações destinadas aos bombeiros, Miguel Borges avançou que “está a ser preparado e analisado um conjunto de recomendações” a tornar públicas brevemente.

Reunião em Sardoal da Comissão Distrital de Proteção Civil de Santarém. Créditos: Paulo Jorge de Sousa

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here