Sardoal | Assembleia Municipal aprova alteração orçamental para dar inicio ao Parque de Negócios de Andreus

Assembleia Municipal de Sardoal. Créditos: mediotejo.net

A Assembleia Municipal de Sardoal aprovou por maioria uma alteração orçamental para dar seguimento a um aviso do Centro 2020 para apoiar financeiramente a localização de empresas, ou seja, para a criação de um Parque de Negócios em Andreus, alegando o executivo municipal que a Zona Industrial de Sardoal “encontra-se esgotada”. A proposta mereceu aos votos favoráveis da bancada do PSD e a abstenção da bancada do PS.

PUB

A Câmara de Sardoal quer criar um Parque de Negócios em Andreus, um investimento na ordem de 1,2 milhão de euros. A Assembleia Municipal aprovou uma alteração orçamental, na passada sexta-feira, 7 de agosto, que permitirá ao executivo municipal candidatar-se a apoio financeiro comunitário do Programa Centro Apoio à Localização de Empresas para a concretização do projeto.

“Dar inicio à contratação de entidades que nos vão dar apoio, no caso da construção do projeto, dos estudos para a candidatura que terá de ser submetida até dia 30 de outubro. Estimamos que numa primeira fase possa ser um investimento na ordem dos 700 mil euros, com financiamento no mínimo a 85%”, deu conta o presidente da Câmara.

PUB

Para a construção do Parque de Negócios Andreus/Sardoal “o Município é proprietário de um terreno em Andreus” onde o executivo municipal pretende implantar uma estrutura modelar “uma vez que a Zona Industrial de Sardoal está esgotada” acrescenta Miguel Borges.

“Uma estrutura com respostas modernas que tem de se enquadrar na paisagem. Um trabalho feito em duas fases; na primeira permite ter até 10 empresas e numa segunda podemos ter até 20 empresas”, indica.

PUB

Da bancada o Partido Socialista, o deputado municipal Adérito Garcia manifestou o “acordo” com a necessidade de ampliar a Zona Industrial de Sardoal.

“Finalmente registamos com agradado que se possam criar novos espaços” deixando para trás a ideia de as empresas se fixam nas zonas industriais dos concelhos vizinhos. No entanto, em relação ao terreno “em tempos pensava-se poder utilizar para lotes habitacionais” manifestando “dúvidas” em termos de localização, mas concordando “avançar” com a candidatura.

Assembleia Municipal de Sardoal. Créditos: mediotejo.net

Em resposta, Miguel Borges disse que o deputado socialista estava enganado. “Desculpe, o senhor está enganado! Não foi ninguém do PSD, nem foi este executivo que disse que o Sardoal tinha de ser um dormitório de Abrantes”, afirmou, mostrando uma entrevista de um elemento do Partido Socialista de Sardoal a um órgão de comunicação social.

“Diz: o Sardoal poderia ser o concelho dormitório de Abrantes, poderá ser uma vantagem e até resultar no crescimento de população. O concelho deveria tirar partido das grandes empresas sediadas em Abrantes onde os níveis de desemprego são baixos. As pessoas poderiam viver no Sardoal e trabalhar em Abrantes” leu considerando que “em tese não é mau de todo!”.

No entanto, defende Miguel Borges, “não podemos desprezar a dinâmica empresarial do nosso concelho. Queremos que as pessoas trabalhem no concelho e não seja só um dormitório […] a Zona Industrial está esgotada, instalaram-se duas novas empresas. E também não estou a dizer que vamos conseguir. Uma coisa é iniciarmos o procedimento para candidatura e outra é vir a acontecer. Isso não depende de nós!” nota.

Quanto ao terreno, Miguel Borges assegura que “há muito tempo que o PSD abandonou a ideia de espaço habitacional” atribuído àquele terreno em Andreus. Esclarece ter sido uma ideia do seu antecessor, mostrando um estudo de 2004, onde a criação de infraestruturas para 9 lotes de terreno obrigava a um investimento de 460 mil euros.

“Acho um número absurdo tendo em conta o custo/benefício para fixar 9 moradores. Não há financiamento comunitário para zonas residenciais, mas para o desenvolvimento económico, criação de empresa há!”.

A estratégia do executivo passa pelo apoio ao mercado de arrendamento privado, explica o presidente fazendo notar que em Sardoal “há muitas casas fechadas”.

Para o Parque de Negócios, Miguel Borges dá conta de um trabalho de arquitetura paisagística que será realizado com enquadramento. “Alguns pavilhões enquadrados na paisagem de forma a dar continuidade aos interesses que alguns empresários que têm manifestado querer fixar-se no nosso concelho”, referiu.

Com o estudo paisagístico o executivo pretende excluir “a descaracterização da aldeia de Andreus. Queremos dar dinâmica ao espaço e à terra”, garante o presidente.

Também o deputado socialista, Rui Valente, lembrou que o PS “anda há três anos nesta casa” a dar conta da necessidade do alargamento da Zona Industrial, lembrando que a Câmara “não tem capacidade de endividamento e agora de repente, quando estamos quase no final do mandato, aparece esta proposta de candidatura a fundos comunitários. Entendo isto como um princípio de uma campanha eleitoral”, disse.

Por seu lado, Miguel Borges lamenta que o deputado socialista desconheça “as coisas como elas são! Temos capacidade de endividamento acima de 500 mil euros. É preciso fazer um trabalho de casa sério! A campanha eleitoral começou no dia em que fui eleito! O senhor acha que somos nós que controlamos os avisos da CCDR? Ou não nos candidatamos porque estamos a um ano das eleições? a vida pára?”, interrogou, afirmando que “a campanha mais honesta que existe é mostrando obra feita!”.

O presidente lembra que o concelho “está em revisão de Plano Diretor Municipal (PDM). Na Zona Industrial está previsto o alargamento e vamos fazê-lo!”.

A alteração orçamental foi aprovada por maioria com 13 votos favoráveis do PSD e 6 votos de abstenção do PS.

Recorde-se que o executivo municipal de Sardoal aprovou em reunião de executivo, por maioria, com abstenção do vereador Carlos Duarte (PS), a alteração orçamental para dar enquadramento ao inicio do procedimento.

APOIE O NOSSO JORNAL, TORNE-SE UM LEITOR BENEMÉRITO

Se lê regularmente as nossas notícias torne-se um leitor benemérito fazendo contribuições a partir de 10€/mês, ou doando valores iguais ou superiores a 100€. Esses leitores passam a constar da ficha-técnica como apoiantes deste projeto independente de jornalismo. Pode também fazer uma contribuição pontual (5€, 10€, 20€, o que puder e quiser).

pub

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here