- Publicidade -

Terça-feira, Janeiro 18, 2022
- Publicidade -

Sardoal | António Colaço mostra ‘Cinquenta Anos a fazer P.Arte’ no Centro Cultural

“Cinquenta Anos a fazer P.Arte” é o nome da exposição de pintura, da autoria de António Colaço, que estará patente no Centro Cultural Gil Vicente entre 15 de janeiro e 26 de fevereiro.

- Publicidade -

A mostra que marca os cinquenta anos de atividade artística de António Colaço, é a prova de que, segundo o artista, “de facto, são cinquenta anos a ir a mundos onde ninguém esteve”, como o pai de Paula Rego caracterizava a missão do artista o qual tinha depois como que a missão de mostrar esses mundos.

De realçar que na exposição patente no Centro Cultural Gil Vicente será possível ver o “Piano das Teclas de Ouro”, uma obra que nasceu “ao pensar nos já firmados Encontros de Piano, com que o Sardoal, entre outras iniciativas culturais se tem afirmado, logo me veio à cabeça fixar e celebrar tal acontecimento, tentando dar vida a um velho piano, reconvocando-o para que, pela memória da sua presença viva, nos fizesse viajar quer pelos concertos que terá dado quer pelos transpirados momentos de quantos nele ensaiaram os primeiros compassos de obras, ora mais melancólicas, ora mais exaltantes. Tudo isso servido pela escrita transfigurada em que, desde há muito, venho apostando”, disse.

- Publicidade -

“Cinquenta Anos a fazer P.Arte” pode ser visitada, a partir de 15 de janeiro, de terça a sexta-feira, das 16h00 às 18h00, e aos sábados, das 15h00 às 18h00. Em virtude da atual situação pandémica não haverá sessão de inauguração.

- Publicidade -

A sua formação é jurídica mas, por sorte, o jornalismo caiu-lhe no colo há mais de 20 anos e nunca mais o largou. É normal ser do contra, talvez também por isso tenha um caminho feito ao contrário: iniciação no nacional, quem sabe terminar no regional. Começou na rádio TSF, depois passou para o Diário de Notícias, uma década mais tarde apostou na economia de Macau como ponte de Portugal para a China. Após uma vida inteira na capital, regressou em 2015 a Abrantes. Gosta de viver no campo, quer para a filha a qualidade de vida da ruralidade e se for possível dedicar-se a contar histórias.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome