Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Sexta-feira, Outubro 22, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Sardoal | “100 Paragens” do Boletim Municipal em Exposição Documental

O espaço Cá da Terra, no Centro Cultural Gil Vicente, em Sardoal, acolhe a Exposição Documental “100 Paragens”, evocativa das 100 edições do Boletim de Informação e Cultura “O Sardoal”. A mostra será inaugurada no âmbito das Festas do Concelho de Sardoal, na sexta-feira, dia 20 de setembro, às 19:30, e estará patente ao público até 23 de novembro.

- Publicidade -

Em exposição estarão painéis com a cronologia da história do Boletim “O Sardoal”, as capas mais relevantes, que marcaram uma nova identidade gráfica da publicação, assim como maquetes em processo manual e uma coleção de todos os números do Boletim.

O primeiro Boletim Municipal editado pela Câmara Municipal de Sardoal foi publicado em 25 de abril de 1982, elaborado por Luís Manuel Gonçalves. Até 1999, as publicações foram sofrendo alterações na sua periodicidade, número de páginas e tiragem de exemplares. Foi em dezembro de 1999 que surgiu o Boletim no figurino atual, passando a designar-se Boletim de Informação e Cultura “O Sardoal”.

- Publicidade -

Atualmente a publicação tem a coordenação geral e edição do Gabinete de Apoio à Presidência e uma periodicidade bimensal.

Ao longo dos seus mais de 20 anos, o Boletim nunca deixou de ter uma forte condição humana, aliando histórias das gentes que fazem o concelho à informação institucional, tornando-se uma referência entre as publicações do mesmo género.

A sua formação é jurídica mas, por sorte, o jornalismo caiu-lhe no colo há mais de 20 anos e nunca mais o largou. É normal ser do contra, talvez também por isso tenha um caminho feito ao contrário: iniciação no nacional, quem sabe terminar no regional. Começou na rádio TSF, depois passou para o Diário de Notícias, uma década mais tarde apostou na economia de Macau como ponte de Portugal para a China. Após uma vida inteira na capital, regressou em 2015 a Abrantes. Gosta de viver no campo, quer para a filha a qualidade de vida da ruralidade e se for possível dedicar-se a contar histórias.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome