PUB

Santarém | ANAFRE desafia autarcas a criar Unidades Locais de Proteção Civil

Cerca de 60 autarcas das freguesias do distrito de Santarém participaram no 1º Encontro “União e Compromisso” organizado pela Delegação Distrital de Santarém da Associação Nacional de Freguesias (ANAFRE) e Comando Distrital de Operações de Socorro de Santarém da Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC) no dia 12 de junho, na Biblioteca Municipal Marquesa de Cadaval, em Almeirim.

PUB

Proteção civil, preparação e capacitação de autarcas eram os temas anunciados para este encontro que contou com as intervenções de Joaquim Catalão, presidente da Junta de Freguesia de Almeirim, Joel Marques e Bruno Tomás, respetivamente coordenador e vice-coordenador da Delegação Distrital de Santarém da ANAFRE, Pedro Ribeiro, presidente da Câmara Municipal de Almeirim e Mário Silvestre, Comandante Operacional Distrital de Santarém.

A ideia chave do encontro consistiu no desafio lançado aos autarcas das freguesias para que constituam Unidades Locais de Proteção Civil (ULPC) de modo a coordenar e rentabilizar ao máximo o voluntariado nesta área.

PUB

“Temos de fazer parte da solução, remar todos para o mesmo lado e deixar de transparecer a ideia de que somos os coitadinhos”, desafiou o presidente da Junta de Freguesia de Almeirim. Joaquim Catalão considerou o tema da Proteção Civil como “extremamente importante, o ano inteiro”.

Das 141 freguesias que existem no distrito de Santarém, 97 são associadas da ANAFRE e destas são poucas as que têm em funcionamento Unidades Locais de Proteção Civil. Dois bons exemplos apresentados na sessão foram as de Bugalhos, no concelho de Alcanena, e Queixoperra, no concelho de Mação.

Para Joel Marques, Presidente da Junta de Carregueira, Chamusca, e coordenador da Delegação Distrital de Santarém da ANAFRE, falando para os seus colegas autarcas, a constituição de ULPC “é o maior desafio para o nosso mandato” tendo em conta o papel que podem ter em salvar vidas.

Na mesma linha, o principal orador, Mário Silvestre, Comandante Operacional Distrital de Santarém, salientou a importância do “cidadão como peça fundamental no sistema de proteção civil”.

Mário Silvestre apresentou os programas Aldeias Seguras e Unidades Locais de Proteção Civil (Foto: mediotejo.net)

“A ULPC é uma mais-valia para a resiliência das comunidades municipais”, afirmou, comparando as Juntas de Freguesia ao motor de arranque de um carro que põe os grandes motores a trabalhar.

Vincando a ideia de que “a Proteção Civil é uma atividade de todos”, Mário Silvestre defende que o processo deve estar focado no cidadão. Daí a necessidade de maior sensibilização e envolvimento para os quais as Juntas de Freguesia têm um papel central.

Com recurso a vídeos e estatísticas, o responsável distrital apresentou alguns exemplos de fogos em que a Proteção Civil falhou, realçando o trabalho que está a ser feito este ano a nível de limpeza de terrenos.

“Tudo começa com a prevenção”, mas para as operações no terreno “planear é fundamental”. Destacou ainda a importância do ataque inicial aos fogos como sendo fundamental na eficácia do sistema.

No distrito de Santarém existem 167 veículos e 715 operacionais. Em 2017 registaram-se 1453 ocorrências, das quais 194 em Tomar, concelho com maior número de ignições.

PUB
PUB
José Gaio
Ganhou o “bichinho” do jornalismo quando, no início dos anos 80, começou a trabalhar como compositor numa tipografia em Tomar. Caractere a caractere, manualmente ou na velha Linotype, alinhavava palavras que davam corpo a jornais e livros. Desde então e em vários projetos esteve sempre ligado ao jornalismo, paixão que lhe corre nas veias.

1 COMENTÁRIO

  1. Nada mais ERRADO. Ora aqui está uma mostra de intenção para a prática de corrupção/favores/clientela. Desde o 75 de outubro que andamos neste negócio dos incêndios.

    O Exército serve para…. nem mais.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

APOIE O NOSSO JORNAL, TORNE-SE UM LEITOR BENEMÉRITO

Se lê regularmente as nossas notícias torne-se um leitor benemérito fazendo contribuições a partir de 10€/mês, ou doando valores iguais ou superiores a 100€. Esses leitores passam a constar da ficha-técnica como apoiantes deste projeto independente de jornalismo. Pode também fazer uma contribuição pontual (5€, 10€, 20€, o que puder e quiser).