Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -
Quinta-feira, Agosto 5, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Rastreio ao Cancro da Mama em Constância até sexta-feira

O concelho de Constância está a receber até sexta-feira, dia 13 de novembro, junto ao Centro de Saúde de Constância, uma unidade móvel do Núcleo Regional do Sul da Liga Portuguesa Contra o Cancro, destinada a efetuar a 7ª volta do Rastreio do Cancro da Mama.

- Publicidade -

O Rastreio é destinado às mulheres com idade compreendida entre os 45 e os 69 anos, as quais, tal como nos anos anteriores, serão convidadas a participar através de carta personalizada, endereçada pela Liga Portuguesa Contra o Cancro.

Refira-se que, embora o rastreio seja dirigido às mulheres com idades entre os 45 e os 69 anos, as mulheres que estejam a 3 meses de realizar os 45 anos e as mulheres dos 70 aos 74 anos que já tenham realizado rastreio anteriormente nesta unidade, não são convocadas, mas podem também participar no programa.

- Publicidade -

Tendo obtido uma taxa de participação de 53,9 % no anterior rastreio, a organização tem por objetivo aumentar este valor, pelo que apela à participação das 472 mulheres – do concelho de Constância -, que integram o grupo etário a que se destina o rastreio e que vão ser convocadas para o efeito.

O Rastreio está a realizar-se em estreita colaboração e com o apoio da Câmara Municipal e das autoridades de Saúde Pública.

Esta ação, totalmente gratuita para as utentes, insere-se na intervenção do Núcleo Regional do Sul da Liga Portuguesa Contra o Cancro, integrado no Plano Oncológico Nacional e no Programa Europeu Contra o Cancro que tem como objetivos primordiais, a deteção do cancro da mama num estádio o mais precocemente possível, aumentando assim, as possibilidades de cura, proporcionando um tratamento menos agressivo, incrementando a sobrevivência (com maior qualidade de vida) e diminuindo a mortalidade por esta doença.

 

A experiência de trabalho nas rádios locais despertaram-no para a importância do exercício de um jornalismo de proximidade, qual espírito irrequieto que se apazigua ao dar voz às histórias das gentes, a dar conta dos seus receios e derrotas, mas também das suas alegrias e vitórias. A vida tem outro sentido a ver e a perguntar, a querer saber, ouvir e informar, levando o microfone até ao último habitante da aldeia que resiste.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome