Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -
Quinta-feira, Outubro 28, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

“Quem cala, nem sempre consente”, por Vânia Grácio

Os últimos dias têm sido muito recheados de especulação sobre o que terá realmente acontecido entre Cristiano Ronaldo e Kathryn Mayorga, a mulher que o acusa de a ter violado. Não vou falar sobre isso, até porque cabe à justiça aferir se de facto aconteceu um crime ou não. Vou antes falar da nossa sociedade e do facto de se continuar a dizer às meninas que devem ter determinado tipo de conduta e continuamos a não dizer aos rapazes que devem respeitar as raparigas.

- Publicidade -

Por muito que se tenha evoluído os últimos anos em matéria de igualdade de género, muito há a fazer. Coisas básicas como as meninas vestem rosa, os meninos azul. As raparigas devem ser recatadas, não usar roupa demasiado curta ou decotada, que não andem sozinhas de noite, não falem com estranhos, que não dancem de determinada forma que pode ser entendida como provocação para o sexo masculino. Já aos rapazes, incentiva-se a que mandem piropos às raparigas, que uns apalpões não têm mal nenhum e que se uma rapariga saiu de saia curta e está a dançar sozinha na pista, então está mesmo a pedir que “te atires a ela”.

Por isso não me estranha a opinião pública no caso do Ronaldo. Não digo que o jogador de futebol seja culpado, nem se trata disso. A questão é que o povo comenta que a mulher, depois de ter dançado com ele na discoteca e subido ao quarto de hotel, não podia esperar ir ver a novela, como se ela (e ele) não tivesse o direito de dizer não, até ao último segundo. Há quase uma obrigação em a mulher se subjugar, porque aceitou ir até ali.

- Publicidade -

É esta a cultura das sociedades machistas. Elas não têm voz, elas não podem dizer não, como se o seu corpo não lhes pertencesse. Como senão precisassem dar consentimento para uma relação sexual.

É verdade que elas também têm de se respeitar a si próprias para serem respeitadas pelos rapazes, mas na maioria dos casos não se trata disso. Importa que se vão mudando mentalidades, que se vá explicando aos rapazes que “quem cala, nem sempre consente”, que estando inconsciente não significa que esteja “disponível”.

O respeito pelo outro é muito importante e tem de ser cultivado na nossa sociedade. Só assim mudaremos mentalidades e se efectivará o respeito pela individualidade dos outros, pelo seu direito à autodeterminação, pelo direito ao seu corpo.

 

Vânia Grácio é Assistente Social e Mediadora Familiar e de Conflitos.
Licenciada em Serviço Social pelo Instituto Superior Bissaya Barreto e Mestre em Serviço Social pelo Instituto Superior Miguel Torga. Pós Graduada em Proteção de Menores pelo Centro de Direito da Família da Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra e em Gestão de Instituições de Ação Social pelo ISLA. Especializou-se na área da Mediação de Conflitos pelo Instituto Português de Mediação Familiar e de Conflitos.
Trabalha na área da Proteção dos Direitos da Criança e da Promoção da Parentalidade Positiva. Coloca um pouco de si em tudo o que faz e acredita que ainda é possível ver o mundo com “lentes cor-de-rosa”. Gosta de viajar e de partilhar momentos com a família e com os amigos (as). Escreve no mediotejo.net ao sábado.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome