- Publicidade -

“Que país é este?”, por Vasco Damas

Para esta crónica, com uma pequena adaptação menos açucarada, aproprio-me do título de uma canção escrita em 1987 pelo brasileiro Renato Russo e que “reza” assim:

- Publicidade -

“Nas favelas, no Senado

Sujeira pra todo o lado

- Publicidade -

Ninguém respeita a Constituição

Mas todos acreditam no futuro da nação

Que país é esse?

No Amazonas, no Araguaia

Na Baixada Fluminense

Mato Grosso, Minas Gerais

E no Nordeste tudo em paz

Na morte eu descanso

Mas o sangue anda solto

Marchando os papéis, documentos fiéis

Ao descanso do patrão

Que país é esse?

Terceiro mundo, se for

Piada no exterior

Mas o Brasil vai ficar rico

Vamos faturar um milhão

Quando vendermos todas as almas

Dos nossos índios num leilão”

Mais de três décadas nos separam de uma letra que foi escrita para a realidade brasileira daquela altura, mas ela podia ter sido escrita hoje, tanto para o Brasil como para Portugal, tal a sua atualidade e a ergonomia com que encaixa na perfeição na raiz do problema dos dois países.

Para dar mais força ao que escrevo cito Gimba, um prodígio incompreendido e desalinhado no panorama musical nacional que, na sua genial criatividade, escreveu no final de 2018 o tema “Vá lá”, que contém estas pérolas no meio de outras pedras preciosas que compõem toda a letra e que, por isso, aconselho a quem desconhece, que pesquise para ficar a conhecer:

“Vá lá, reformados, pensionistas

O governo tem artistas

Pagos pra vos enganar

Vá lá, moribundos, acamados

Incapazes, entrevados

Vamos, toca a levantar!

Vá lá, capitães e generais

Mais as tias de Cascais

Na orgia do cifrão

Vá lá, ministros e deputados

Com os bolsos recheados

Façam a revolução!”

Penso que estamos de acordo que há uma linha condutora que liga estas duas letras e que aproxima, na essência, duas realidades que estão fisicamente separadas por milhares de quilómetros.

Com este pequeno enquadramento transatlântico, ficamos com a sensação que o problema não é superficial e que, talvez, já faça parte do nosso ADN.

Com tudo aquilo que vamos tendo conhecimento, apetece recordar Renato Russo e perguntar, que país é este?

Que país é este que deixa morrer os seus cidadãos para salvar os seus barões?

Que país é este que cobra tostões, mas perdoa milhões?

Que país é este que poupa naquilo que é essencial, mas que gasta naquilo que é acessório?

Que país é este que publicita equilíbrios, mas promove desequilíbrios?

Que país é este que fala em igualdade, mas acentua a desigualdade?

Que país é este que burocratiza a exigência, mas normaliza o erro e a falta de decoro?

Que país é este que confunde serviço público com servir-se do público?

Que país é este que às perguntas sobre corrupção responde dando exemplos práticos, deixando entender que estamos perto de atingir a impunidade de grupo?

Com todos estes exemplos, que legado estamos a deixar às próximas gerações? Dá que pensar, não dá? Afinal de contas, que país é este?

É gestor e trabalhar com pessoas, contribuir para o seu crescimento e levá-las a ultrapassar os limites que pensavam que tinham é a sua maior satisfação profissional. Gosta do equilíbrio entre a família como porto de abrigo e das “tempestades” saudáveis provocadas pelos convívios entre amigos. Adora o mar, principalmente no Inverno, que utiliza, sempre que possível, como profilaxia natural. Nos tempos livres gosta de “viajar” à boleia de um bom livro ou de um bom filme. Em síntese, adora desfrutar dos pequenos prazeres da vida.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
O seu nome

APOIE O NOSSO JORNAL, TORNE-SE UM LEITOR BENEMÉRITO

Se lê regularmente as nossas notícias torne-se um leitor benemérito fazendo contribuições a partir de 10€/mês, ou doando valores iguais ou superiores a 100€. Esses leitores passam a constar da ficha-técnica como apoiantes deste projeto independente de jornalismo. Pode também fazer uma contribuição pontual (5€, 10€, 20€, o que puder e quiser).