Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Quarta-feira, Julho 28, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Quartel da GNR de Alcanena ainda não é assunto encerrado

Depois do acicatado debate entre a presidente da Câmara de Alcanena, Fernanda Asseiceira, e o deputado Miguel Domingos (PSD) na assembleia municipal de 4 de dezembro, a autarca trouxe novamente o tema do novo quartel da GNR à reunião camarária de 21 de dezembro. Segunda-feira, Fernanda Asseiceira referiu que a questão do quartel ainda não está encerrada e que espera que o novo Governo avance com o projeto.

- Publicidade -

“Nunca houve desinteresse por este processo”, salientou Fernanda Asseiceira, lendo e entregando aos vereadores um memorando com todo o histórico deste caso. Uma situação com 17 anos, conforme lembrou o vereador independente Artur Rodrigues, que foi sendo adiada pelos consecutivos Governos, até que em 2013 houve aval para que se avançasse com um projeto. O município fez um projeto de requalificação do atual quartel da GNR de Alcanena, mas este acabaria por ser colocado de parte.

A autarquia lembrou-se então de requalificar o antigo edifício das Obras Municípais, o qual viria a adquirir já em 2015 nesse intuito. Questionado o Governo sobre quais as mudanças a serem feitas e qual o montante disponível para apoiar a obra, Fernanda Asseiceira afirma que foi recebendo minutas de protocolo sem valores de construção ou projeto de obras.

- Publicidade -

A presidente recusou-se a assinar estes protocolos, pedindo mais elementos à estrutura central. Fernanda Asseiceira referiu assim que ainda não desistiu do processo e o novo quartel avançará quando o “Ministério da Administração Interna assim queira”.

Na assembleia municipal, Miguel Domingos questionou a autarca porque não tinha sido assinado o protocolo para o novo quartel enviado pelo Governo. A presidente frisou por diversas vezes que não assinou o documento porque não havia projeto de obras, mas o tema gerou uma troca de acusações mútuas que dominou a parte final da sessão.

Cláudia Gameiro, 32 anos, há nove a tentar entender o mundo com o olhar de jornalista. Navegando entre dois distritos, sempre com Fátima no horizonte, à descoberta de novos lugares. Não lhe peçam que fale, desenrasca-se melhor na escrita

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here