Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Quinta-feira, Agosto 5, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

“Procurando alegria”, por Massimo Esposito

No outono já começou a ESCOLA. Um momento de empenho, de atividade, de mudanças para muitos e para a maioria um momento de desafio. Os professores serão capazes de realizar o programa? Terão bons alunos? Terão alegria?

- Publicidade -

E os alunos serão capazes de entender as matérias? Conseguirão passar o ano e sobretudo irão avançar em entendimentos? Terão alegria?

Sim ter alegria… é isto o importante! Ter prazer no que se está a fazer, nada mais do que isto vale e com certeza se mais pessoas fizessem isto o mundo seria melhor. Radical? Estou a ser “fundamentalista”? Não! Estou ciente de que é difícil, mas temos de fazer as coisas pelas quais temos inclinação. Eu, por exemplo, gosto muito de música mas não consigo tocar, não consigo diferenciar as notas seja no ouvido quer na pauta… então porque terei de “forçar-me “a ser músico? E se fosse obrigado a tocar numa banda? Certamente me sentiria frustrado ou triste… Mamma mia! Outro concerto? E os meus companheiros a tocar com um indolente? Um que toca só para tocar notas, como conseguiriam realizar um bom concerto?

- Publicidade -

É por isto que devemos ver quais as nossas tendências e cultiva-las, fazê-las crescer, acarinhá-las e assim ter a nossa parte de alegria… e menos stress. Sei que é difícil pela maioria, as vezes temos obrigações a cumprir e devemos aceitar trabalhos para ter um ordenado ao fim do mês… mas e nós? As nossas tendências? Devemos pô-las de lado? Esquece-las? Não! Continuar a sentir-nos frustrados? Não!

As vezes penso no desafio dos pais que fazem de tudo para dar alegria aos seus próprios filhos. As nossas cidades e vilas do Médio Tejo oferecem uma série de cursos que cobrem todas as nossas apetências: cursos de música, de pintura, de bailado, dança latina, judo, ginástica, artesanato e muito mais. Estes pais correm de um lado para outro para ir buscar o menino à piscina e depois levá-lo à música, ou outro que decidiu aprender equitação e deve ir à quinta para depois deixá-lo no inglês para o preparar para o futuro.

Mas realmente, qual é a decisão que leva à alegria? À nossa e à dos nossos filhos?

O que devemos fazer é encaixar na nossa rotina diária tempo para as nossas tendências, para desenvolver as nossas OUTRAS capacidades, ser capazes de dizer… eu quero aprender e realizar o que me dá alegria.

Pensem se a maioria tivesse alegria no que faz, como seria melhor o nosso relacionamento humano, sim! Haveria sempre um pouco de ciúme e ganância, é normal, mas muito menos com certeza.

A pessoa sentir-se-ia realizada, ou na via de sê-lo, o ajudaria a ter paz e contentamento, por isto pensem para este ano,  com seriedade e sem seguir as escolhas de outros, “vou inscrever-me naquele curso e vou aprender a ter alegria! A ter algo para mim e assim equilibrar os meus sentimentos e forças. Não é uma boa ideia?

Pintor Italiano, licenciado em Arte e com bacharelato em Artes Gráficas em Urbino (Itália), vive em Portugal desde 1986. Em 1996 iniciou um protejo de ensino alternativo de desenho e pintura nas autarquias do Médio Tejo que, após 20 anos, ainda continua ativo. Neste projeto estão incluídas exposições coletivas e pessoais, eventos culturais, dias de pintura ao ar livre, body painting, pintura com vinho ou azeite, e outras colaborações com autarquias e instituições. Neste momento dirige quatro laboratórios: Abrantes, Entroncamento, Santarém e Torres Novas.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome