PUB

Prémio Maria Lamas: “Isto é demasiado pequenino” para dignificar a sua memória, diz neto

José Gabriel Bastos, antropólogo, neto da ativista política torrejana Maria Lamas (1893-1983) esteve presente na entrega do Prémio com o mesmo nome, sábado, 9 de julho, atribuído pela Câmara de Torres Novas. Ao mediotejo.net confessou que nada sente em relação à homenagem, porque esta é ainda demasiado singela para marcar a figura que foi a avó. O problema não é em concreto o esforço da autarquia, salienta, mas de todo um país que pensa “pequenino”.

PUB

José Gabriel Bastos, neto de Maria Lamas. foto mediotejo.net
José Gabriel Bastos, neto de Maria Lamas. Foto: mediotejo.net

José Gabriel Bastos é reformado e está há três anos a estudar o espólio de Maria Lamas. O objetivo, confessou ao mediotejo.net, é fazer um total de 10 livros sobre a avó materna, o primeiro dos quais, uma biografia, deverá sair em breve.

PUB

“O que é importante é construir Portugal”, começou por frisar quando questionado pelo mediotejo.net sobre o que sentia em relação à homenagem do Prémio Maria Lamas. Este seria o lema da avó, uma mulher que “voava mais alto que muitos homens” e que “não tinha medo de Salazar”.

Escritora, tradutora, jornalista e ativista política, Maria Lamas morreu com 90 anos e com um longo historial de luta e prisões políticas, mas cujo legado é praticamente desconhecido do grande público. “Era uma mulher de uma coragem enorme”, frisa, e “resumimos isto a apenas uma figura” local, de Torres Novas. “Isto é demasiado pequenino”.

Para José Gabriel Bastos falta “visão” a Portugal. Comenta que a casa onde nasceu Maria Lamas, em Torres Novas, poderia ser requalificada e transformada num espaço digno de memória com a ajuda de programas comunitários mas está esquecida. Da sua parte, a sua investigação procurará recuperar toda a memória e percurso da avó: Maria Lamas e as Mulheres, o exílio, três volumes com obras que a escritora não pôde publicar em vida, cartas que trocou com intelectuais. José Gabriel Bastos está ainda a recolher tudo o que Maria Lamas disse à comunicação social e foi publicado.

O antropólogo lembra que em sua casa pouco se falava da avó Maria. Os genros estavam ligados ao regime fascista e o neto acabaria por manter uma relação mais próxima com a avó só na idade adulta. “Era uma pessoa muito viva e muito discreta”, afirma. “Era uma heroína do século XX”, frisa, “lamento que não a queiram colocar mais alto”. “Torres Novas está a fazer um erro enorme porque tem uma figura mundial e não a aproveita”.

PUB
PUB
Cláudia Gameiro
Cláudia Gameiro, 32 anos, há nove a tentar entender o mundo com o olhar de jornalista. Navegando entre dois distritos, sempre com Fátima no horizonte, à descoberta de novos lugares. Não lhe peçam que fale, desenrasca-se melhor na escrita

1 COMENTÁRIO

  1. O esquecimento dos grandes Homens e Mulheres torrejanos, não vem de agora e continuam a persistir…Maria Lamas, figura importante e que de certo modo tem sido reconhecida (E.S. Maria Lamas, por exemplo), mais que os outros nomes importantes da História do nosso concelho e que parece irem ficando esquecidos no tempo, como o meu bisavô e amigo da e Maria Lamas, Faustino Bretes.
    Quem não lembra aqueles que sacrificaram a sua vida pessoal e profissional em prol da comunidade não pode olhar para o futuro e achar que vai ser grandioso. Muito pouca gente sabe quem foi Faustino Bretes e a vida (Grande) que teve nem aquilo que sacrificou para que hoje pudessem estar no poder pessoas que nada fizeram ou sacrificaram.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

APOIE O NOSSO JORNAL, TORNE-SE UM LEITOR BENEMÉRITO

Se lê regularmente as nossas notícias torne-se um leitor benemérito fazendo contribuições a partir de 10€/mês, ou doando valores iguais ou superiores a 100€. Esses leitores passam a constar da ficha-técnica como apoiantes deste projeto independente de jornalismo. Pode também fazer uma contribuição pontual (5€, 10€, 20€, o que puder e quiser).