Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Sábado, Maio 8, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Ponte de Sor | ‘Portugal Air Summit’ “veio para ficar”, diz Hugo Hilário

A ‘Portugal Air Summit’ revela-se uma “marca vincada” na segunda edição do evento, em 2018. Hugo Hilário menciona a cimeira como fator económico importante para a região de Ponte de Sor, realizada num aeródromo com história, inaugurado em 1919, após o pedido do Exército português à Câmara Municipal para a construção de um campo de aviação. A história e a modernidade de mãos dadas. 

- Publicidade -

No encerramento do ciclo de conferências e debates da “Portugal Air Summit” 2018, no sábado, 26 de maio, o presidente da Câmara Municipal de Ponte de Sor disse ao mediotejo.net que nesta segunda edição ”os visitantes têm sido cinco vezes mais” comparativamente com o evento de 2017. Hugo Hilário ressalvou que o dia com maior atratividade e afluência de público seria “precisamente o domingo” com o Air Race Championship.

“O nosso propósito é precisamente esse: poder unir e permitir reunir os ‘players’ e os ‘stakeholders’ do setor, poder potenciar e promover cada vez mais o cluster aeronáutico não apenas na ótica de Ponte de Sor, mas da região do Alentejo e do País”, referiu Hugo Hilário.

- Publicidade -

O presidente considerou como “melhor retorno”, no sentido de perceber se o objetivo foi ou não atingido, “o número de pessoas que visita este tipo de cimeiras”. Hugo Hilário frisou que a ‘Portugal Air Summit’ na sua segunda edição “tem já a sua marca vincada” entendendo que o evento “veio para ficar”.

Portugal Air Summit em Ponte de Sor, durante o debate ‘Alentejo

O autarca manifestou-se feliz pelo Município ter dado “um contributo, por mais humilde que tenha sido ao setor da aeronáutica, e ao económico”, no sentido de poder “evoluir”.

No dia em que o encerramento do ciclo de conferências e debates esteve a cargo do ministro do Planeamento e das Infraestruturas, Pedro Marques, que segundo o autarca “ficou muito satisfeito” com a cimeira, referiu também que “tem sido um parceiro deste projeto, por conhecê-lo há muito tempo e não só por estar a tutelar este Ministério”, acrescentando que tais “investimentos” surpreendem “pela positiva e se puderem colaboram e ajudam. Do Ministério das Infraestruturas a colaboração tem sido total”, notou.

Além de conquistar visitantes, durante a conferência ‘Alentejo Internacional’ Hugo Hilário disse que o propósito da ‘Portugal Air Summit’ passa também por “juntar os agentes, entidades e autoridades responsáveis pela gestão da causa pública, pela gestão dos territórios”.

“Se a criação de 20 ou 30 postos de trabalho” num concelho do interior do País “é preponderante para este território, criar 100, 200 ou 800 é diferenciador e altera toda a vida de um concelho”, deu conta, referindo-se também a Campo Maior, Grândola e Évora.

Em Ponte de Sor “o que fizemos foi perceber isso”. Para Hugo Hilário “o emprego só se consegue atraindo investimento” considerando que o Município (e o Alentejo) vive “um período de evolução, com oportunidades magníficas”. E, “se outros sectores estagnaram, o sector da aeronáutica no Interior do País é algo completamente distinto”.

A ‘Portugal Air Summit’ “conseguiu desafiar todos aqueles que têm responsabilidades nesta área ou pelo menos despertá-los para que possamos ter a perfeita noção que num país como o nosso se soubermos caminhar juntos, que não estamos a competir uns com os outros, mas com um mercado global, ganhamos com tudo isso”, sustentou.

Hugo Hilário vincou que o Município de Ponte de Sor “paulatinamente ter feito o seu caminho enfrentando muitos obstáculos e constrangimentos, com a ajuda de muitos mas temos hoje a certeza de ser o caminho certo”.

Exemplificando com números, o presidente afirmou que em dezembro de 2012 o concelho tinha “1500 desempregados, em dezembro de 2017 eram 400, e hoje cerca de 300”, lendo este resultado como “consequência direta da boa situação que hoje o País vive, da recuperação económica”, mas também das apostas dos municípios.

Dirigindo-se a outros autarcas do Alentejo valorizou o esforço e afirmou valer a pena “sermos perseverantes, teimosos e continuar a acreditar porque temos capacidade e condições para fazer aquilo que se faz noutros locais” de Portugal.

O ‘cluster’ aeronáutico em Portugal representa já mais de 1% do Produto Interno Bruto (PIB) e a ambição do Governo é duplicar o peso do sector nos próximos 10 anos.

A cimeira aeronáutica “Portugal Air Summit” terminou este domingo, no Aeródromo Municipal de Ponte de Sor, com uma corrida de aviões inspirada nas “Reno Air Races”, sendo este o maior atrativo, com um circuito marcado por ‘pylons’ (torres) de 25 metros de altura.

Esta corrida a baixa altitude permitiu ao público sentir o som dos motores, com as velocidades de voo a atingirem os 400 quilómetros por hora. O encerramento contou com a presença nos céus de Ponte de Sor do F16 da Força Aérea Portuguesa numa passagem, descrita pela organização como “épica”.

 

A sua formação é jurídica mas, por sorte, o jornalismo caiu-lhe no colo há mais de 20 anos e nunca mais o largou. É normal ser do contra, talvez também por isso tenha um caminho feito ao contrário: iniciação no nacional, quem sabe terminar no regional. Começou na rádio TSF, depois passou para o Diário de Notícias, uma década mais tarde apostou na economia de Macau como ponte de Portugal para a China. Após uma vida inteira na capital, regressou em 2015 a Abrantes. Gosta de viver no campo, quer para a filha a qualidade de vida da ruralidade e se for possível dedicar-se a contar histórias.

- Publicidade -
- Publicidade -

COMENTÁRIOS

Please enter your comment!
O seu nome