Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Quarta-feira, Setembro 22, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Ponte de Sor | Música francesa no Festival 7Sóis 7Luas em Montargil

O Festival 7Sóis 7Luas despede-se este ano de Ponte de Sor no sábado, dia 17 de agosto, às 22h00, com um concerto em Montargil, no anfiteatro da Zona Verde do Laranjal, pela música francesa de Christophe Mondoloni (Córsega, França).

- Publicidade -

Christophe Mondoloni começou a aprender o canto e o estudo da polifonia nas igrejas aos 15 anos. Em 2008 vê o lançamento do seu primeiro álbum de música no qual uma faixa é composta por Jean Pierre Lang (autor de canções para Céline Dion). A sua música combina um estilo moderno e brilhante com profundas raízes da Córsega: vem de melodias étnicas e tradicionais, transmitidas de geração em geração, que marcaram a vida dos ilhéus durante décadas. Variações, toques pessoais e improvisações desempenham um papel importante dentro desta tradição musical, uma característica encontrada na música de Mondoloni.

Promovido pela Associação Cultural Sete Sóis Sete Luas, com o apoio do município de Ponte de Sor e do programa Europa Criativa, a 27.ª edição do festival decorre até setembro, contando com a participação de cerca de 90 artistas de vários países, como Portugal, Itália, Espanha, França, Croácia, Marrocos Tunísia ou Cabo Verde.

- Publicidade -

Festival Sete Sóis Sete Luas em Ponte de Sor

 

A sua formação é jurídica mas, por sorte, o jornalismo caiu-lhe no colo há mais de 20 anos e nunca mais o largou. É normal ser do contra, talvez também por isso tenha um caminho feito ao contrário: iniciação no nacional, quem sabe terminar no regional. Começou na rádio TSF, depois passou para o Diário de Notícias, uma década mais tarde apostou na economia de Macau como ponte de Portugal para a China. Após uma vida inteira na capital, regressou em 2015 a Abrantes. Gosta de viver no campo, quer para a filha a qualidade de vida da ruralidade e se for possível dedicar-se a contar histórias.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome