PUB

“Poluição sem fim à vista em Torres Novas”, por Duarte Marques

Apesar de todas as iniciativas, das ações populares e da preocupação dos partidos políticos, a verdade é que a poluição na ribeira da Boa Água e no rio Almonda parece não ter fim nem conhecer solução.

PUB

Todos nos recordamos, ou devemos recordar, das garantias e iniciativas do Secretário de Estado do Ambiente, e do próprio Ministro João Matos Fernandes, com várias visitas ao terreno, há quase dois anos. Foi criada uma Comissão de Acompanhamento, os partidos na autarquia uniram-se e foram unânimes a pedir soluções, mas nem assim se resolve o problema. Na Assembleia da República foram aprovadas por unanimidade Resoluções de todos os partidos com recomendações ao governo para resolver este assunto.

Parece impossível, e revela a incapacidade do Estado, mas apesar do consenso quase absoluto sobre este assunto o problema não está ainda resolvido.

PUB

Se há aqui responsabilidades do Governo, e em particular do Ministério do Ambiente, há obviamente responsabilidade e cumplicidade do poder local. Apesar da autarquia condenar hoje a situação, as empresas poluidoras contaram com o silêncio cúmplice do poder local durante demasiados anos. Uma empresa não cresce tanto, não se expande tanto, não constrói tanto sem o beneplácito da autarquia local.

Hoje, mais do que nunca, deveria haver condições para resolver o problema. Nenhum emprego se pode sobrepor à saúde das pessoas, dos animais e da natureza. Hoje há condições e instrumentos para permitir equilibrar a produção industrial e a proteção do ambiente. Por outro lado, existem instrumentos e financiamento adequado para ajudar estas empresas a alterar a sua forma de atuar ou mesmo para deslocalizar a sua atividade para outras áreas mais adequadas.

Já passou demasiado tempo desde as primeiras promessas, dos projetos de resolução, das perguntas parlamentares e das primeiras manifestações da população. Se este assunto não tem um final feliz é apenas por incompetência ou irresponsabilidade. Até o rio Tejo, que tinha muito mais poluição e muito mais poluidores, está hoje bem melhor do que a ribeira da Boa Água ou que o Almonda.

PUB
PUB
Duarte Marques
Duarte Marques, 38 anos, é natural de Mação. Fez o liceu em Castelo Branco e tirou Relações Internacionais no Instituto de Ciências Sociais e Políticas da Universidade Técnica de Lisboa, com especialização em Estratégia Internacional de Empresa. É fellow do German Marshall Fund desde 2013. Trabalhou com Nuno Morais Sarmento no Governo de Durão Barroso ao longo de dois anos. Esteve seis anos em Bruxelas na chefia do gabinete português do PPE no Parlamento Europeu, onde trabalhou com Vasco Graça Moura, José Silva Peneda, João de Deus Pinheiro, Assunção Esteves, Graça Carvalho, Carlos Coelho, Paulo Rangel, entre outros. Foi Presidente da JSD e deputado na última legislatura, onde desempenhou as funções Vice Coordenador do PSD na Comissão de Educação, Ciência e Cultura e integrou a Comissão de Inquérito ao caso BES, a Comissão de Assuntos Europeus e a Comissão de Negócios Estrangeiros e Cooperação. O Deputado Duarte Marques, eleito nas listas do PSD pelo círculo de Santarém, foi eleito em janeiro de 2016 um dos novos representantes portugueses na Assembleia Parlamentar do Conselho da Europa, com sede em Estrasburgo. Sócio de uma empresa de criatividade e publicidade com sede em Lisboa, é também administrador do Instituto Francisco Sá Carneiro, director Adjunto da Universidade de Verão do PSD, cronista do Expresso online, do Médio Tejo digital e membro do painel permanente do programa Frente a Frente da SIC Notícias.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

APOIE O NOSSO JORNAL, TORNE-SE UM LEITOR BENEMÉRITO

Se lê regularmente as nossas notícias torne-se um leitor benemérito fazendo contribuições a partir de 10€/mês, ou doando valores iguais ou superiores a 100€. Esses leitores passam a constar da ficha-técnica como apoiantes deste projeto independente de jornalismo. Pode também fazer uma contribuição pontual (5€, 10€, 20€, o que puder e quiser).