Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Domingo, Agosto 1, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Passe pela Biblioteca | Quatro sugestões de literatura infantil

Convidámos os responsáveis das bibliotecas municipais do Médio Tejo a fazerem as suas recomendações neste espaço todas as segundas-feiras, de forma alternada. “Os Pássaros, Os poemas voam mais alto”, de Afonso Cruz, “Bestiário Tradicional Português”, de Nuno Matos Valente, “Diário de um Migrante”, de Maria Inês Almeida, e “A cantora deitada”, de Sandro William Junqueira, são as sugestões de literatura infantil apresentadas esta semana por Ana Saraiva, da Biblioteca Municipal e Ourém.

- Publicidade -

Passe pela biblioteca… e boas leituras!

Hoje, a produção e edição de literatura infantil ocupam um lugar privilegiado nas dinâmicas da escrita em Portugal. Esta realidade estará também relacionada com o aumento da procura de livros para crianças nos últimos anos. Os pais compram-lhes livros que os prendem pelas ilustrações harmoniosas e apelativas e pelos textos curtos, simples, fáceis de acompanhar e que acabam bem. Estes pais juntam o melhor de dois mundo: apostam na formação dos filhos logo nos seus primeiros anos de vida “de pequenino se torce o pepino”, e dão a si próprios a oportunidade de (re)entrarem no mundo espontâneo e mágico da infância.

- Publicidade -

A literatura infantil pode ser acedida nos escaparates das livrarias, em feiras do livro e até em espaços comerciais diversificados. Mas também pode sair das bibliotecas públicas. Pode sair gratuitamente da Biblioteca Municipal de Ourém, na sua ação de serviço público!

A juntar a contos bem escritos, com pouco texto mas de longo alcance, as ilustrações dos livros infantis são caixinhas de surpresa que atraem e distraem todos quantos se sentam à volta de um livro. São muitos e renovados os títulos na Biblioteca à espera que as crianças os venham convidar para um passeio ao mundo dos sonhos. Escolho alguns, não por serem obrigatoriamente os melhores entre os melhores, mas porque são bons, fixam crianças e adultos e são aquisições recentes da Biblioteca de Ourém.

De Afonso Cruz, Os Pássaros, Os poemas voam mais alto. O sentido poético conjuga a a leveza e a beleza que os dias podem ter. Para quê complicar o que pode ser simples? Afonso Cruz escreve: “A Natureza acendeu os dias para ver voar os pássaros”. Com um humor que prende e retém, escreve ainda: “Começou a chover porque um pássaro desastrado derrubou uma nuvem“.

Bestiário Tradicional Português (2016) foi escrito por Nuno Matos Valente e ilustrado por Natacha Costa Pereira. O livro transporta-nos para o imaginário popular que povoou o passado recente das famílias portuguesas. O “Bicho Papão”, o “Homem do Saco”, a “Coca”, o “Lobisomem” e as “Moiras Encantadas” são algumas criaturas do fantástico que entravam no universo infantil. Agora são reanimadas por estes meninos de então, avós e pais de hoje, que as apresentam aos netos e filhos como imagens que nunca existiram realmente. Mas não vá alguma criança portar-se mal…

Diário de um Migrante (2016), escrito por Maria Inês Almeida e ilustrado por Ana Sofia Gonçalves é uma história que leva pais e filhos a falarem sobre a migração como fenómeno muito presente e que merece de nós todo o respeito e a maior sensibilidade. Desenhos e recortes de papel e outros objetos combinam-se numa narrativa de um Pinguim que emigra para “fugir” à Guerra, tão próximo do flagelo atual dos refugiados. Este migrante transmite-nos o medo do desconhecido, a perda dos bens materiais, a capacidade de enfrentar o desconhecido, a saudade da Terra e da Família que ficam para trás, as conquistas que são feitas a custo, a redescoberta, o recomeço e a abertura para um mundo que começa em nós.

Sandro William Junqueira escreveu A Cantora deitada. Maria João ilustrou deliciosamente. Tem pouco texto, apenas o essencial. Alice deita-se e canta numa cidade, perante o espanto de todos, é a sua forma de sentir a liberdade. Alice “só cantava deitada ao ar livre. Alice acreditava que, assim, a canção acertou e destapou o coração das coisas”.

Ficam aqui estas sugestões de leituras como anúncio de Primavera!

Chefe de Divisão da Ação Cultural da Câmara Municipal de Ourém e responsável pela Biblioteca Municipal

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome