Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Sexta-feira, Setembro 24, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

PASSE PELA BIBLIOTECA: ‘Oblomov’, de Ivan Goncharov

Convidámos os diretores das bibliotecas municipais do Médio Tejo a fazerem as suas recomendações neste espaço, de forma alternada, todas as semanas. “Oblomov”, do escritor russo Ivan Goncharov, é o livro sugerido por Ana Sofia Marçal, responsável pela Biblioteca Municipal Padre Manuel Antunes, na Sertã.

- Publicidade -

Passe pela biblioteca… e boas leituras!

 

- Publicidade -

Oblomov é um romance singular na brilhante galeria dos maiores escritores russos do século XIX.”

Hugo Pinto Santos, Jornal Público, 18.12.2015

 

Oblomov, publicado em 1859, é o romance mais conhecido do serta_oblomovescritor russo Ivan Goncharov.

O personagem principal, cujo nome dá título ao livro, é um jovem membro da velha aristocracia latifundiária, com uma posição completamente inerte sob todos os pontos de vista. Não toma decisões relevantes, não age de modo significativo a nada nem a ninguém e passa a maior parte do tempo de roupão, na cama ou no sofá.

“assim que acordou, ele prontamente resolveu que iria levantar-se, lavar-se e, após beber seu chá, refletir de modo adequado, chegar a alguma conclusão, anotá-la e, no geral, ocupar-se com aqueles assuntos da maneira devida. Continuou deitado por mais meia hora, atormentando-se com aquela intenção, mas depois considerou que ainda teria tempo de fazer aquilo após o chá e que poderia muito bem tomar o chá como de costume na cama, tanto mais porque nada o impedia de pensar e continuar deitado.” (Excerto)

Profundamente mergulhado nesta situação enfadonha, que resiste em abandonar, passa os dias entre desejos e planos para a exploração agrícola que mantém de herança e que o sustenta, objetivo que nunca põe em prática.

Apesar dos esforços do seu amigo Stoltz, dinâmico e empreendedor, em mostrar-lhe a beleza de viver a vida em plenitude e quem sabe, junto de um grande amor, Oblomov acaba por escolher o conforto da cama e do sofá.

Um verdadeiro épico da preguiça, a obra foi considerada uma sátira à nobreza russa cuja função económica e social era cada vez mais posta em causa na Rússia, em meados do século XIX. A obra faz parte das maiores criações literárias.

Diretora da Biblioteca Municipal da Sertã

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome