Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Terça-feira, Julho 27, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Passe pela Biblioteca | “O Nome da Rosa”, de Umberto Eco

Convidámos os responsáveis das bibliotecas municipais do Médio Tejo a fazerem as suas recomendações neste espaço de forma alternada, às segundas-feiras. “O Nome da Rosa”, de Umberto Eco, é a sugestão apresentada esta semana por Nuno Ferreira, da Biblioteca Municipal Alexandre O’Neill, em Constância.

- Publicidade -

Passe pela biblioteca… e boas leituras!

O livro que venho sugerir aos leitores do Médio Tejo é hoje considerado um clássico da literatura universal, “O Nome da Rosa” do escritor, filosofo, semiólogo, linguista e bibliófilo italiano Umberto Eco (1932-2016), considerado um dos maiores escritores do nosso tempo, foi editado em 1980, tendo tido um grande sucesso que catapultou o autor para ser conhecido a nível mundial.

- Publicidade -

Umberto Eco ganhou diversos prémios, entre eles o prestigiado Prémio Médicis e esta obra foi adaptada ao cinema por Jean-Jacques Annaud.

O romance decorre na Idade Média em 1327, iniciando-se com a chegada do frade franciscano Guilherme de Baskerville a um mosteiro beneditino no norte de Itália para ajudar na investigação de heresias, e durante a sua estadia depara-se com um conjunto de mortes de diversos monges, sendo pedida a sua ajuda de especialista e investigador.

Com este personagem central Umberto Eco cria um enredo policial assumido, indo buscar referências a Sir Arthur Conan Doyle e ao seu conhecido Sherlock Holmes na pessoa do frade Guilherme de Baskerville e Adso de Melk, o noviço que o acompanha como o Dr. Watson.

O autor aproveita para nos mostrar como funcionava um mosteiro na época medieval, mas também o confronto ideológico dentro da Igreja, entre os tradicionalistas e os reformistas que acontecia em final do século XIV.

A ação do livro de Eco, decorre em grande parte no cenário da maior biblioteca da cristandade medieval, onde todo o conhecimento, incluindo obras perdidas e proibidas da antiguidade clássica por lá se encontravam, mesmo o famoso livro de Aristóteles dedicado ao Riso, temática tão controversa na idade média no seio da Igreja.

Responsável pela Biblioteca Municipal Alexandre O'Neill em Constância

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here