Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Domingo, Julho 25, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Passe pela Biblioteca | “Não se pode morar nos olhos de um gato”, de Ana Margarida de Carvalho

Convidámos os responsáveis das bibliotecas municipais do Médio Tejo a fazerem as suas recomendações neste espaço todas as segundas-feiras, de forma alternada. “Não se pode morar nos olhos de um gato”, de Ana Margarida de Carvalho, é a sugestão apresentada esta esta semana por Carmen Ferreira, da Biblioteca Municipal de Ourém.

- Publicidade -

Passe pela biblioteca… e boas leituras!

Ana Margarida de Carvalho é licenciada em Direito pela Faculdade de Direito de Lisboa e dedicou-se ao Jornalismo nos últimos anos. Tem reportagens, contos e poemas espalhados por várias publicações e coletâneas. Editou também o livro infantil A Arca do É, ilustrado por Sérgio Marques (cuja leitura em família também sugerimos fortemente).

- Publicidade -

O seu primeiro romance Que Importa a Fúria do Mar valeu-lhe o Grande Prémio de Romance e Novela APE em 2013 e apresentou-nos de imediato uma escritora notável, que depressa ocupou um lugar de destaque no panorama literário nacional.

Não se Pode Morar nos Olhos de um Gato é o seu segundo romance e a nossa sugestão de leitura para o início do verão de 2017. Esta obra foi considerada Livro do Ano 2017 (pela Sociedade Portuguesa de Autores) e vencedora do Prémio Manuel Boaventura.

A narrativa centra-se em finais do século XIX, já depois da abolição da escravatura, quando um tumbeiro clandestino naufraga ao largo do Brasil.

Um grupo de náufragos atinge uma praia intermitente, que desaparece na maré cheia: um capataz, um escravo, um mísero criado, um padre, um estudante, uma fidalga e sua filha, um menino pretinho ainda a dar os primeiros passos. Todos são vencedores na morte, perdedores na vida.

O mar, ao contrário dos seus antecedentes quotidianos, dá-lhes agora uma segunda oportunidade, duas vezes por noite, duas vezes por dia. Ao contrário do que pensam, não estão sós naquela prisão natural, com os penhascos enquanto sentinelas, entre o céu e o mar. Com eles ali vivem todos os seus remorsos e todos os seus fantasmas.

Mais difícil do que se fazerem ao mar ou escalarem precipícios será ultrapassarem as suas diferenças e os preconceitos: os de raça, os de classe social, os de género e os de credo.

Este é um livro que nos ajuda a colocarmo-nos na pele do outro, através de personagens densas e humanas, como a escritora Ana Margarida de Carvalho tão bem sabe criar e partilhar generosamente com os leitores.

Bibliotecária na Biblioteca Municipal de Ourém.
Natural de Ourém, nascida em 1974, licenciada em Línguas e Literaturas Modernas – Estudos Portugueses pela Universidade Nova de Lisboa – Faculdade de Ciências Sociais e Humanas. Ainda na FCSH concluiu em 1999 a Pós-graduação no Ramo de Formação Educacional e em 2002 a Pós-graduação em Cultura Portuguesa Contemporânea. É Mestre em Ciências Documentais, na variante de Bibliotecas e Centros de Documentação, pela Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias de Lisboa, com a Dissertação “Biblioterapia aplicada a idosos: um novo desafio para as bibliotecas públicas portuguesas” (2013).

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here