Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Domingo, Agosto 1, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

PASSE PELA BIBLIOTECA: NÃO ABDICO DE ME AMAR, DE MARIA ZABELETA

Convidámos os diretores das bibliotecas municipais do Médio Tejo a fazerem as suas recomendações neste espaço, de forma alternada, todas as sextas-feiras. Esta semana, “Não Abdico de me Amar”, de Maria Zabeleta, é o livro sugerido por Óscar Martins, diretor da Biblioteca Municipal Dr. Carlos Nunes Ferreira, em Alcanena.

- Publicidade -

Passe pela biblioteca… e boas leituras!

O jeito de estar vem de família, os Zabeletas. No sangue corre a veia poética, artística, musical e sensual que lhe conferem um jeito próprio de estar. A força e a garra são parte da própria identidade.

- Publicidade -

alcanena_capa livro sugestao leituraO livro começa com o poema Nasci onde declara inequivocamente a certeza Não abdico de me amar. E esse lema persegue-nos além da nossa própria vontade pelos caminhos dos poemas de Maria.

Com Alcanena no coração por devoção, Maria Adelaide Ferreira que assina por Maria Zabeleta, não perde o Norte apesar de viver há anos em Torres Novas. O desfiar dos versos, sem rimas mas com ritmo próprio que se apanha desde o início, tem neste livro o culminar de uma carreira como poetisa, cantora e artista acima de tudo.

A maturidade apalpa-se em cada gemido da alma solto pela mulher de 82 anos que escreve com a frescura dos anos 30 do século XX. Passaram os anos mas a rapariga que gosta de bailar e cantar o fado permanece. Não inalterada, mas detentora de um percurso próprio, percorrido de pés descalços, sentindo as pedras do caminho, apalpando-lhes as pontas afiadas com a própria pele e deixando escorrer o sangue das feridas pelo veio de si mesma.

O livro que começa com o poema Nasci termina com um Cristo que fecha o ciclo por ela delineado, num abraço de emoções e convicções sem margem para enganos. Lendo Maria Zabeleta percorrem-se os caminhos duma alma cheia, plena de emoção, sentimento, sem nunca ser lamechas ou piegas, mas que corajosamente se assume como sentimental, apaixonada pela vida, por ser, por nunca deixar de ser quem é. A paixão brota dos poros de cada verso, que engolimos sem demora, na sofreguidão de absorver o íntimo desta mulher, perceber-lhe os sentidos da alma, perscrutar-lhe as intenções, sentir-lhe o pulsar da vida no ritmo da respiração com que as palavras ganham vida antes os nossos olhos.

Como trovador medieval, os versos que compõem os poemas deste livro têm música, como se a natureza brotasse a cada esquina dos sentidos. É toda uma alma antiga que se eleva e assume perante a janela dos nossos olhos, que a sentem sem entender bem como, mas certos do que sentimos.

A viagem de quem não abdica de se amar lê-se de rompante, num sopro de vida que sabe bem saborear.

A edição do livro Não Abdico de Me Amar é da responsabilidade da Câmara Municipal de Alcanena, a capa é da autoria do Dr. Carlos Nuno que também fez o Prefácio, e o livro lançado no dia 19 de março está à venda na Biblioteca Municipal Dr. Carlos Nunes Ferreira – Alcanena.

Diretor da Biblioteca Municipal de Alcanena

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome