PASSE PELA BIBLIOTECA: “Irmão Lobo”, de Carla Maia de Almeida

Convidámos os diretores das bibliotecas municipais do Médio Tejo a fazerem as suas recomendações neste espaço, de forma alternada, todas as sextas-feiras. Esta semana, “Irmão Lobo”, de Carla Maia de Almeida, é o livro sugerido por Margarida Teodora Trindade, diretora da Biblioteca Municipal Gustavo Pinto Lopes, em Torres Novas.

PUB

Passe pela biblioteca… e boas leituras!

Há irmãos que não nascem dentro da família, antes entram para dentro da família, são absorvidos por laços invisíveis e tornam-se família.

PUB

lobo_capa_tnovasHá histórias onde o “lobo-mau” pode ser a crise que assola um país ou o desemprego, que destrói uma família.

Há lobos que se tornam irmãos de meninas de oito anos e que, nas memórias do “para sempre”, ficam parte da família e aparecem nos retratos.

PUB

Carla Maia de Almeida escreveu, António Jorge Gonçalves ilustrou e a Planeta Tangerina editou.

Neste livro conhecemos uma família que se confronta com o cenário e com as consequências de uma crise que se instalou no seu país. Uma família que se confronta com a inesperada situação do desemprego de um pai. Conhecemos nessa família uma miúda de oito anos (a mais nova de três irmãos) que, em processo de sobrevivência emocional face à inesperada situação, emana de si um esforço de compreensão e de maturidade alternados com uma doce ingenuidade criativa, num mundo quotidiano onde ela própria
cria e constrói os seus cenários imaginários, nos quais dá outros nomes às personagens de quem depende e que giram à sua volta, entre elas, o seu cão-lobo, um husky.

É um livro para todas as idades, uma história onde o final é, afinal, apenas um recomeço, um outro caminho, uma vida inteira pela frente.

O passado é só uma parte dessa história, é somente aquilo que permite que uma menina de oito anos seja uma sobrevivente.
Do rasgo da autora, Carla Maia de Almeida, nasceu uma história bonita, na qual a expectativa, a desilusão, a perda, a recuperação e a resiliência marcam o ritmo. Ocorre-nos, portanto, depois da leitura deste romance, perguntar: nunca será a realidade uma história bonita? Às vezes não é, sabemos. Porém, Carla Maia de Almeida confere estilisticamente uma beleza imensa a esta
narrativa. E essa beleza é o reflexo de uma escrita onde habita a sensibilidade, sem dar azo a “lamechices” desnecessárias ou a “infantilizações” desapropriadas.

Estamos perante uma escrita onde se percebe o enorme respeito da autora por todas as personagens que criou, mas não menos um enorme respeito pelos leitores deste “Irmão Lobo”.

É uma narrativa de uma enorme verosimilhança e de uma delicadeza, vocabular e cénica, invulgar. No texto vivem e respiram, em simultâneo com as personagens, imagens e metáforas que compõem a narrativa e os cenários descritos que a ilustração, por seu lado, com recurso a duas cores apenas, completa e enriquece.

Ora, a ilustração deste livro, diga-se muito justamente, acrescenta e dinamiza a relação com o leitor, e, de forma genial, marca o tempo da narrativa no romance: o passado e o presente.

Escolhido, em 2014, para o catálogo “White Ravens” dos 200 melhores do mundo, este livro que nos conta a história de uma família que coleciona alcunhas e de uma menina que escolheu ser maior do que a tristeza, é um livro que está traduzido em vários países e que se encontra disponível para empréstimo na Biblioteca Municipal Gustavo Pinto Lopes.

PUB
Margarida Teodora Trindade
Diretora da Biblioteca Municipal de Torres Novas

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

APOIE O NOSSO JORNAL, TORNE-SE UM LEITOR BENEMÉRITO

Se lê regularmente as nossas notícias torne-se um leitor benemérito fazendo contribuições a partir de 10€/mês, ou doando valores iguais ou superiores a 100€. Esses leitores passam a constar da ficha-técnica como apoiantes deste projeto independente de jornalismo. Pode também fazer uma contribuição pontual (5€, 10€, 20€, o que puder e quiser).