Passe pela Biblioteca | “A vida de um homem que perseguia poemas”, de Joana M. Lopes

Convidámos os responsáveis das bibliotecas municipais do Médio Tejo a fazerem as suas recomendações neste espaço de forma alternada, às segundas-feiras. “A vida de um homem que perseguia poemas”, de Joana M. Lopes, é a sugestão apresentada esta semana por Ana Sofia Marçal, da Biblioteca Municipal Padre Manuel Antunes, na Sertã.

Passe pela biblioteca… e boas leituras!

Joana M. Lopes sempre escreveu para crianças. A sua escrita caracteriza-se por possuir um cunho muito próprio, de tonalidade séria mas simultaneamente ligeira, perspicaz, subtil e irónica que permitem que a leitura dos seus textos suceda com entusiasmo e ritmo. A vida de um homem que perseguia poemas, o primeiro texto dirigido ao público adulto, mantém a marca pessoal de Joana M. Lopes nas entrelinhas.

“A parecer tentar um certo imaginário rural – de onde as crenças e as superstições não estão ausentes (é magistral uma cena em que o avô desaparece na terra como uma toupeira) – Joana M. Lopes funde-o com um outro universos, o onírico e declaradamente poético. Sendo um primeiro romance, não é de estranhar (embora seja notório) como a linguagem e a destreza narrativa vão ganhando fôlego ao longo do livro, terminando quase em apoteose (de onde a capacidade reflexiva não está ausente).”

José Riço Direitinho, Ípsilon, 30.01.2019

“A vida de um homem que perseguia poemas” é uma história narrada a partir da vida de um homem que nasceu com coração de poeta mas que nunca foi capaz de escrever um único poema. A narrativa, contada pelo homem, tem início quando este abandona a cidade e regressa à sua antiga casa na aldeia, lugar onde acredita poder curar-se.

“Por ter sido aqui o começo, obriguei-ma a voltar, voltar a esta divisão de uma sagrada geometria, a esta casa, a esta aldeia, para descobrir a derradeira alquimia que há em asfixiar um homem, em se matar a si mesmo para se conceder a oportunidade de uma nova vida, à transmutação do podre ao puro, da mentira à verdade.”

A busca pelas suas origens, o contacto com objetos do passado naquela que foi a sua casa, revelou-se num lugar de memórias incrível! As palavras que o protagonista foi escrevendo em segredo por tantos lugares escondidos, trouxeram à tona um corrupio de memórias que representam sempre as suas vivências angustiadas através de palavras (“… mesmo que os amantes morressem, a palavra perduraria, então a palavra era maior que a morte e maior que o próprio amor, pois era através dela que as coisas viveriam
enquanto houvessem Homens”).

A partir das suas próprias recordações, o homem desta história descobre a origem da sua extrema sensibilidade e a origem da “doença” da qual se quer curar para poder alcançar a liberdade e a paz.

Título: A vida de um homem que perseguia poemas
Autor: Joana M. Lopes
Editora: Alêtheia
Idioma: Português
Ano de edição: 2018

PUB
Ana Sofia Marçal
Diretora da Biblioteca Municipal da Sertã

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

APOIE O NOSSO JORNAL, TORNE-SE UM LEITOR BENEMÉRITO

Se lê regularmente as nossas notícias torne-se um leitor benemérito fazendo contribuições a partir de 10€/mês, ou doando valores iguais ou superiores a 100€. Esses leitores passam a constar da ficha-técnica como apoiantes deste projeto independente de jornalismo. Pode também fazer uma contribuição pontual (5€, 10€, 20€, o que puder e quiser).