PUB

PASSE PELA BIBLIOTECA: A Rapariga no comboio, de Paula Hawkins

Ana Rita Leitão
Ana Rita Leitão, diretora da Biblioteca Municipal José Cardoso Pires, em Vila de Rei

PUB

Convidámos os diretores das bibliotecas municipais do Médio Tejo a fazerem as suas recomendações neste espaço, de forma alternada, todas as sextas-feiras. Esta semana, “A rapariga no comboio”, de Paula Hawkins, é o livro sugerido por Ana Rita Leitão, diretora da Biblioteca Municipal José Cardoso Pires, em Vila de Rei.

Passe pela biblioteca… e boas leituras!

PUB

 

A Biblioteca Municipal José Cardoso Pires, em Vila de Rei, que com todo o gosto e honra coordenamos, foi convidada a contribuir para esta nova publicação periódica, online, num jornalismo de proximidade.

Não podíamos declinar este dignificante convite! Nem, tão pouco, escolher aleatoriamente um livro para dele falar e propor a sua leitura neste novíssimo mediotejo.net que muito saudamos.

A nossa opção pessoal recai, geral e normalmente, sobre policiais e textos de mistério e suspense. Na verdade, temos em Agatha Christie um baluarte literário. Não obstante, decidimo-nos, hoje, por uma prosa similar mas de contexto atual. Vimos hoje propor como leitura do próximo fim-de-semana um dos êxitos de vendas mais rápidos de sempre, disponível nas livrarias e bibliotecas desde o início do Verão. A Rapariga no Comboio de Paula Hawkins, editado pela TOPSELLER.

É, de facto, um policial, mas não nos mantém em suspense para deslindar o mistério latente ou em busca de pistas que indigitam o culpado. Trata-se de um texto policial que nos envolve no íntimo das relações humanas e nos faz questionar os valores da confiança, da honestidade, da retidão e lealdade e o jogo que muitas vezes é feito para se aproveitar das fraquezas dos outros.

Talvez haja quem o leia de modo compulsivo pois, de facto, é um thriller do momento: é absorvente e arrebatador na narrativa, desassossega e perturba em alguns contextos sendo arrepiante, intimidante e assustador na sua análise.

A história linear assenta na narrativa de Rachel que apanha o comboio diariamente para o seu local de trabalho.

Neste trajeto dual, de ida e regresso, observa, com a assiduidade da rotina diária – a partir da janela do comboio – os mesmos espaços, as mesmas casas, as mesmas pessoas; sobre estas constrói hipotéticas vidas e relações que considera perfeitas atribuindo-lhes, até, nomes recolhidos à sua própria fantasia, nas moradias bucólicas que acompanham a linha por onde passa o comboio de Rachel.

Um dos casais que vê diariamente sobressai no seu horizonte imaginário considerando-os como um casal irrepreensível e feliz, donos de uma vida perfeita, muito semelhante àquela que Rachel havia perdido muito recentemente. Até que um dia, algo de errado parece acontecer e que não encaixa na fantasia construída na imaginário de Rachel. Tal imagem permanece na memória de Rachel que, perturbada e não querendo guardar segredo do que viu, vai relatar o visionado à polícia.

Inicia-se aqui o despoletar de toda a ação passando Rachel a fazer parte da sucessão alucinante e precipitada de acontecimentos, afetando a vida de todos os envolvidos.

Admiramos a construção desta narrativa envolvente e desassossegadora.

A própria divisão dos capítulos, de acordo com as personagens que vão narrando a história na primeira pessoa, contribui para esta perspetiva quase fílmica do enredo; podendo o leitor ir apreciando os diferentes pontos de vista dos diferentes personagens comungando igualmente das suas dúvidas, incertezas, angústias, dores e anseios. Este modelo traz maior interesse ao leitor na tomada de posição face ao ângulo da história que cada uma das personagens relata e, bem assim, na cronologia dos factos e no tempo verbal de cada narração.

Encontramos neste romance policial uma seleção de personagens muito bem construídas e muito reais. Rachel, especialmente, representa uma mulher que emerge na sua revelação de resignada, dependente do álcool. É o estado de embriaguez que a leva a confundir a realidade com o devaneio, e que a conduz por vezes a apagões de momentos vividos que a levam a questionar-se se terá sido ela a causadora.

Assistimos nesta personagem à luta interior contra a dependência, as suas tentativas para se manter sóbria e afastada do álcool, tentando viver a sua vida de forma normal.

Ana Rita Leitão

PUB
PUB
Margarida Serôdio
Entrou no mundo do jornalismo há cerca de 13 anos pelo gosto de informar o público sobre o que acontece e dar a conhecer histórias e projetos interessantes. Acredita numa sociedade informada e com valores. Tem 35 anos, já plantou uma árvore e tem três filhos. Só lhe falta escrever um livro.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

APOIE O NOSSO JORNAL, TORNE-SE UM LEITOR BENEMÉRITO

Se lê regularmente as nossas notícias torne-se um leitor benemérito fazendo contribuições a partir de 10€/mês, ou doando valores iguais ou superiores a 100€. Esses leitores passam a constar da ficha-técnica como apoiantes deste projeto independente de jornalismo. Pode também fazer uma contribuição pontual (5€, 10€, 20€, o que puder e quiser).