Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Segunda-feira, Outubro 18, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Passe pela Biblioteca | “A pura inscrição do Amor”, de Nuno Júdice

Convidámos os responsáveis das bibliotecas municipais do Médio Tejo a fazerem as suas recomendações neste espaço de forma alternada, às segundas-feiras. “A febre das almas sensíveis”, de Isabel Rio Novo, é a sugestão apresentada esta semana por Carmen Ferreira, da Biblioteca Municipal de Ourém.

Passe pela biblioteca… e boas leituras!

Nuno Júdice, nome maior da Poesia em Portugal, nasceu no Algarve, em 1949. Professor Universitário, assumiu em 2009 a direção da revista “Colóquio-Letras” da Fundação Calouste Gulbenkian.

Publicou o primeiro livro em 1972 e recebeu os mais importantes prémios de literários nacionais e internacionais, entre os quais: Pen Clube (1985), Prémio D. Dinis da Fundação Casa de Mateus (1990), da Associação Portuguesa de Escritores (1995), Bordalo da Casa da Imprensa (1999), Cesário Verde e Ana Hatherly (2003) e Fernando Namora (2004).

Em 2013, recebeu em Espanha o Prémio Reina Sofia de Poesia Ibero-Americana, em 2014, no México, o Prémio de Poesia del Mundo Latino e em 2015 o Prémio Argana da Maison de la Poésie de Marrocos e Prémio Literário Fundação Inês de Castro – Tributo de Consagração. Já em 2016, recebeu em Itália o Prémio internacional de Poesia Europa in Versi/Prémio Carreira e em Portugal, o Prémio Tabula Rasa, na categoria de Poesia.

O livro que vos propomos hoje é “A Pura Inscrição do Amor”, que reúne poemas escritos por Nuno Júdice, ao longo dos anos, dedicados a este tema.

Nele se incluem os conjuntos de poemas “Pedro, Lembrando Inês” e “Carta de Orfeu a Eurídice”, ambos publicados em simultâneo, em abril de 2001 sob o título “Pedro, Lembrando Inês”, que se encontrava esgotado há muito.

Nele se incluem também, os poemas reunidos em “Novo Tratado de Pintura”, que são inéditos em Portugal, embora alguns deles tenham sido publicados na Colômbia, em 2014, sob o título, “Breve Tratado de Pintura”.

Encontramos também nesta obra poemas já editados em livro em Espanha, em 2015, sob o título “Cântico dos Cânticos”. O poema “A Mulher Deitada”, que fecha o livro, é inédito.

Para aguçar a vontade de passar pela Biblioteca Municipal de Ourém e requisitar esta obra, deixamos um poema que integra o conjunto “Novo Tratado de Pintura” (inédito em Portugal):

“O BANHO

Diz-me: essa nuvem que se atravessa
no teu rosto, que vento a empurra? De
onde vem a tristeza que passa por ti,
e faz murchar as rosas que os teus
dedos ainda prendem? Mas deixa que
eu te fale; e acordar-te-ei, para
que o desejo te vista com o fogo
solto de uma constelação de antigos
crepúsculos. Então, olhar-me-ás
como se nunca nos tivéssemos visto;
e pedir-te-ei que desfolhes a tarde,
como um livro, para me ensinares
a ler pelas páginas do teu amor.”

Bibliografia:

JÚDICE, Nuno – A pura inscrição do amor . 1.ª edição. Alfragide : Dom Quixote, 2018. 143 páginas. ISBN 978-972-20-6405-7

LEYA Online – Nuno Júdice. [em linha] https://www.leyaonline.com/pt/livros/poesia/a-pura-inscricao-do-amor/ [Consult. 09 de julho de 2018]

Bibliotecária na Biblioteca Municipal de Ourém.
Natural de Ourém, nascida em 1974, licenciada em Línguas e Literaturas Modernas – Estudos Portugueses pela Universidade Nova de Lisboa – Faculdade de Ciências Sociais e Humanas. Ainda na FCSH concluiu em 1999 a Pós-graduação no Ramo de Formação Educacional e em 2002 a Pós-graduação em Cultura Portuguesa Contemporânea. É Mestre em Ciências Documentais, na variante de Bibliotecas e Centros de Documentação, pela Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias de Lisboa, com a Dissertação “Biblioterapia aplicada a idosos: um novo desafio para as bibliotecas públicas portuguesas” (2013).

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome