- Publicidade -
Quarta-feira, Dezembro 8, 2021
- Publicidade -

PAN diz que limitações à caça nas áreas ardidas são insuficientes

O PAN – Pessoas, Animais, Natureza considerou esta quinta-feira, dia 9 de novembro, que as medidas adotadas pelo Governo PS para proibir, até maio de 2018, a caça nas áreas ardidas são “manifestamente insuficientes” para “acautelar a preservação” das espécies selvagens atingidas.

- Publicidade -

Em comunicado, o PAN sustenta que as medidas de restrição, adotadas através de portarias publicadas em 15 de setembro e em 03 de novembro, “acima de tudo defendem os interesses da indústria da caça, mesmo num contexto de calamidade”.

“A proibição de caça apenas em áreas superiores a 1.000 hectares é manifestamente insuficiente para retirar a enorme pressão sobre os animais sobreviventes que procuram agora refúgio e alimentação nas poucas e reduzidas áreas não atingidas pelos fogos”, defende o PAN.

- Publicidade -

O PAN considera “absolutamente incompreensível” que o Governo continue a permitir a “caça a aves migratórias”, ainda que restrita a dois dias por semana, especialmente em casos como o da rola-comum que “está a desaparecer a ritmo galopante em Portugal e na Europa.

O PAN sublinha que a situação, no que respeita a esta espécie, é “dramática, estimando-se que a sua população tenha decrescido 73% nos últimos 20 anos, “devendo, segundo a Quercus, ser incluída na lista vermelha de espécies ameaçadas com o estatuto `vulnerável´”.

O PAN lembra que entregou na quinta-feira um projeto de resolução que estabelece a suspensão total da caça a norte do Tejo durante o período de dois anos.

A suspensão abrange a área territorial a norte do Tejo, especialmente afetada pelos incêndios de junho e outubro, visando permitir a “recuperação das populações das mais diversas espécies de animais”.

O PAN, representado no parlamento pelo deputado André Silva, contesta ainda que no próximo ano as zonas de caça associativas e turísticas concessionadas cujos terrenos se encontrem abrangidos pelas restrições fiquem isentas do pagamento da taxa anual em 2018.

Para o PAN, esta isenção “só se justifica pelo facto de o governo privilegiar os interesses do setor” da caça, em detrimento da proteção dos animais e ecossistemas.

Agência de Notícias de Portugal

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome