Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Domingo, Agosto 1, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Palha de Abrantes leva hoje Teatro a Tramagal, Martinchel e Rio de Moinhos

Pelo décimo ano consecutivo, o Grupo de Teatro Palha de Abrantes está a levar a efeito uma Mostra de Teatro, uma iniciativa que principiou no dia 21 e decorre ainda este sábado, dia 28 de maio, em Martinchel, Tramagal e Rio de Moinhos.

- Publicidade -

O salão paroquial de Martinchel recebe esta noite, às 21:30, a peça “Agarra que é Milionário”, pelo Grupo de Teatro da Sociedade Artística Tramagalense (SAT).

Sinopse: “Pedro e Bé vivem Juntos. São um casal que gosta da vida mundana mas o rendimento que Pedro consegue como escritor é escasso para a vida que eles apreciam. Tudo na vida deles ó emprestado, até o apartamento onde vivem! Organizam festas para arranjar algum dinheiro. Num acaso caricato Bé conhece Rui e Pedro conhece Pilar que tem tudo na vida, mas”…

- Publicidade -

Atores: Abílio Pombinho – Taxista

Dionisio Correia – Pedro

Fernanda Lopes – Ju

Joaq. Ricardo – Rui Simões

Lídia Aparício – Pilar

Nazaré Capitão – Be

Contra regras: Joaquim Mateus e Fernando Salvador

Assistentes de cena: José António e Odete Oliveira

Carpinteiro de cena: José Joaquim Oliveira

Som e Luz: C. Azevedo

Encenador M. F. Grácio

Em Rio de moinhos, por sua vez, a Casa do Povo recebe o grupo cénico ‘O Cidral’, de Alter do Chão, com uma Revista à Portuguesa que vai subir ao palco da Casa do Povo de Rio de Moinhos, também às 21:30.

Elenco:
Marçal Godinho
Joaquina Carita
Andreia Rodrigues
Rosa Correia
Helena Ribeiro
Ana Malenha
Ana Bruno
Henrique Gaudino
Vitor Amador
Sérgio Godinho
Carlos Conceição
Joaquina Bruno
João Alves
Fátima Conceição

Encenador: Marçal Godinho
Som/Luz – Celso Alves e Rui Cardona
Caracterizadora – Marina Amador

Por último, em Tramagal, à Sociedade Artística Tramagalense (SAT) chega “o Noivado do Dafundo” com o grupo Nova Morada, de Paços de Arcos, igualmente às 21:30.

Sinopse: ”Falar de Garrett é falar do Teatro Português. Considero verdadeiramente o pai do Teatro Nacional. Ao celebrar os 160 anos da sua morte o Teatro Nova Morada decidiu montar uma das suas obras mais emblemáticas. O Noivado do Dafundo é uma comédia de costumes que ultrapassa a sua época e chega perfeitamente actual aos nossos dias. Os casamentos de conveniência foram sempre usuais em todas as épocas e Garrett sabia que esse tema seria percorrido através de todos os séculos. Além de mais a visão teatral de Garrett leva a que uma simples comédia se transforme num espectáculo onde a “commedia dell’arte” arte se mistura com o “vaudeville” numa simbiose perfeita. Adicionei-lhe alguns ingredientes da minha “lavra” e estou convencido que os objectivos foram atingidos. È esse o nosso desejo para um espectáculo popular, virado para todos os públicos e que tenha fácil compreensão”.

Leandro Vale – Encenador

Original: Almeida Garrett

Textos adicionais e canções: Leandro Vale

Direcção de Cena: Maria João Vieira

Fotografia: Bruno Saavedra

Guarda-Roupa: Teatro Nova Morada<br> Produção: Teatro Nova Morada

Canções: Luís Fernandes

Elenco:

Adélia – Maria João Vieira

Ana Máxima – Teresa Santinhos

Antunes – Luís Fernandes

Augusto – Pedro Grana

Ezequiel – Mário Gomes

Genoveva – Fernanda Borges

Pantaleão – Armando Vieira

Classificação Etária: M/12

Duração: 65 minutos

O arranque da X Mostra de Teatro da Palha de Abrantes aconteceu no passado sábado, dia 21, no Cine Teatro São Pedro, em Abrantes, onde o grupo “da casa” subiu a palco com a peça “Disco Pigs” e que contou com as participações dos jovens Sofia Medeiros e Afonso Marques, sob a encenação de Helena Bandos e Rita Nazaré.

A experiência de trabalho nas rádios locais despertaram-no para a importância do exercício de um jornalismo de proximidade, qual espírito irrequieto que se apazigua ao dar voz às histórias das gentes, a dar conta dos seus receios e derrotas, mas também das suas alegrias e vitórias. A vida tem outro sentido a ver e a perguntar, a querer saber, ouvir e informar, levando o microfone até ao último habitante da aldeia que resiste.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome