Ourém | Protocolos formalizam arranque dos Gabinetes de Apoio ao Emigrante no Médio Tejo (c/fotos)

Em Ourém foram assinados os protocolos que formalizam o arranque dos Gabinetes de Apoio ao Emigrante no Médio Tejo. Foto: mediotejo.net

A reunião do Conselho Intermunicipal do Médio Tejo desta quinta-feira, dia 30 de julho, ficou marcada pela assinatura dos protocolos celebrados com a Direção-Geral dos Assuntos Consulares e Comunidades Portuguesas e os municípios da região do Médio Tejo, que têm como objetivo a constituição dos Gabinetes de Apoio ao Emigrante (GAE).

PUB

O momento foi formalizado na Câmara Municipal de Ourém, local escolhido para a reunião deste Conselho, na presença da Secretária de Estado das Comunidades Portuguesas, Berta Nunes, e dos autarcas que entrarão nesta fase no processo.

De salientar que os municípios de Ourém, Sardoal e Vila de Rei foram os primeiros a dispor de Gabinetes de Apoio ao Emigrante, os quais se encontram a funcionar em pleno nos seus territórios.

PUB

Atualmente, e após esta formalização, o Médio Tejo ficará, praticamente, abrangido pela existência destes gabinetes, que se revestem de grande importância.

Protocolos formalizaram arranque dos Gabinetes de Apoio ao Emigrante no Médio Tejo. Foto: CIMT

Segundo o portal das Comunidades Portuguesas, os GAE destinam-se a todos os portugueses que estão emigrados, aqueles que já regressaram, assim como todos os cidadãos que pretendam iniciar um processo migratório.

PUB

No que diz respeito a objetivos, os GAE deverão informar todos os portugueses dos seus direitos sobre os países de acolhimento, apoiar no regresso e reinserção em Portugal, contribuindo para a resolução de eventuais problemas, de forma rápida, gratuita e personalizada, facilitando o seu contacto e articulação com outros serviços da Administração Pública Portuguesa.

De referir que os GAE estão tecnicamente habilitados para tratar de assuntos de segurança social estrangeira, comunitária e extracomunitária e acompanhamento de processos em todas as questões do âmbito da segurança social, tais como pedidos de pensões de velhice, invalidez e sobrevivência, prestações de acidentes de trabalho, prestações de Abono de Família e desemprego, e prestações de previdência profissional – 2º LPP (Fundos – Suíça).

Além do mais, os GAE tratam ainda da legalização de viatura e isenção de Imposto automóvel, por ocasião de transferência definitiva de residência para Portugal, equivalência de estudos – Reconhecimento/Equivalência de Habilitações Literárias adquiridas no estrangeiro, dupla-tributação, informação jurídica geral, estatuto do Residente Não Habitual em Portugal, aconselhamento a quem queira emigrar no âmbito da Campanha Trabalhar no Estrangeiro, e investimento – Orientação para a criação de empresas na região, em articulação com os Gabinetes de Apoio ao Investidor/ Empreendedor dos Municípios.

Os GAE promovem ainda a articulação com outras entidades e instituições, auxiliando na resolução de outros assuntos. Atualmente encontram-se em funcionamento 144 GAE no país.

PUB

 

APOIE O NOSSO JORNAL, TORNE-SE UM LEITOR BENEMÉRITO

Se lê regularmente as nossas notícias torne-se um leitor benemérito fazendo contribuições a partir de 10€/mês, ou doando valores iguais ou superiores a 100€. Esses leitores passam a constar da ficha-técnica como apoiantes deste projeto independente de jornalismo. Pode também fazer uma contribuição pontual (5€, 10€, 20€, o que puder e quiser).

PUB

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here